Amr Abdallah Dalsh/Reuters
Amr Abdallah Dalsh/Reuters

França admite ter lançado na Líbia 40 toneladas de armas para rebeldes

Envio de armamentos teria sido feito sem o conhecimentos de aliados na Otan, diz 'Le Figaro'

BBC Brasil, BBC

29 de junho de 2011 | 18h15

PARIS - O governo da França confirmou nesta quarta-feira, 29, que lançou de aviões cerca de 40 toneladas de armas para os rebeldes que lutam contra o regime de Muamar Kadafi na Líbia.

 

Veja também:

linkLíbios recebem dinheiro e armas para lutar contra Kadafi

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

Segundo o Ministério da Defesa francês, os aviões lançaram no começo de junho, com paraquedas, armamentos leves e munição nas montanhas Nafusa, a sudoeste da capital líbia, Trípoli. Também teriam sido enviados aos rebeldes alguns tanques leves por via terrestre, através da fronteira líbia com a Tunísia.

Sem aviso

 

Um porta-voz militar francês, coronel Thierry Burkhard, afirmou à agência de notícias AFP que no início eram lançados apenas suprimentos médicos, alimentos e água. Porém, com a piora da situação dos civis em meio ao conflito, foi tomada a decisão de lançar também as armas.

O jornal francês Le Figaro informou que entre os armamentos enviados estão lança-foguetes e mísseis antitanques. O jornal ainda relata que o governo francês não informou seus aliados na Otan, que também fazem ataques na Líbia, sobre a medida.

O Le Figaro também informou ter tido acesso a mapas secretos do departamento de defesa mostrando pistas de pouso em cidades tomadas por rebeldes, construídas para receber pequenas aeronaves vindas do Golfo, que podem levar armas para perto da frente de batalha.

 

Aliados

Forças pró-Kadafi e rebeldes vêm se enfrentando na Líbia desde fevereiro, e o envio de armas seria uma tentativa de dar impulso às forças contrárias ao líder líbio, que vêm avançando rumo a Trípoli. A decisão de lançar os armamentos para os rebeldes líbios teria sido tomada unilateralmente pelo governo francês depois de uma reunião em abril entre o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e um dos líderes dos rebeldes, general Abdelfatah Younis.

Alguns analistas afirmam que a medida pode significar um desrespeito ao embargo do Conselho de Segurança da ONU a todo tipo de fornecimento de armas à Líbia. O correspondente da BBC em Paris Christian Fraser afirma que a medida deve gerar ainda mais insatisfação em países como a Rússia e China, que acreditam que a Otan e seus aliados já ultrapassaram o alcance da resolução 1973 da ONU, que autorizou a ação militar internacional na Líbia.

Os Estados Unidos alegam que a resolução 1973 permite que os países forneçam armas para os rebeldes líbios, apesar da resolução anterior, a 1970, que impunha um embargo de armas a todo o país do norte da África. As forças rebeldes que atuam na área onde os armamentos foram lançados fizeram avanços significativos recentemente e estão se aproximando cada vez mais de Trípoli.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.