REUTERS/Francois Lenoir
REUTERS/Francois Lenoir

França diz que responderá se Síria cruzar 'linha vermelha'

Emmanuel Macron alertou que se ficar comprovado o uso de armas químicas pelo regime de Bashar Assad, Paris terá de agir

O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 05h00
Atualizado 10 Abril 2018 | 08h59

PARIS - O porta-voz do governo francês, Benjamin Griveaux, disse nesta terça-feira, 10, que Paris irá responder se ficar provado que as forças aliadas da Síria conduziram um ataque químico contra o reduto rebelde de Duma no fim de semana.

+ Análise: Trump aprende com a questão síria o quanto suas palavras importam

+ ‘O risco de uma guerra mais ampla é grande’, diz especialista americano

O uso de armas químicas no território sírio tem sido um assunto delicado para o presidente da França, Emmanuel Macron. Ele alertou que utilizar esses recursos seria como cruzar uma "linha vermelha" e obrigaria Paris a agir, ainda que de forma unilateral.

+ EUA dizem ter prova do uso de armas químicas na Síria e desafiam Rússia

+ Trump diz que tomará ‘decisões importantes’ sobre a Síria até quarta-feira

O gabinete de Macron afirmou que uma resposta militar dependeria do departamento de inteligência da França e estaria em coordenação com os EUA. "O presidente disse repetidamente que se a linha vermelha for cruzada e se forem estabelecidos os responsáveis, haverá uma resposta", afirmou Griveaux à emissora de rádio Europe 1.

Macron e o presidente americano, Donald Trump, falaram pela segunda vez sobre o assunto na segunda-feira depois que os dois países concordaram que armas químicas foram usadas no ataque. Um grupo de assistência médica sírio informou que ao menos 60 homens, mulheres e crianças morreram. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.