Stephen Crowley/NYT
Stephen Crowley/NYT

França ainda briga por papel de potência independente; leia cenário

Embora muitas vezes vista como vaidade ou ressentimento, assertividade do país no exterior é calibrada para administrar um dilema que tem enfrentado desde a 2ª Guerra

Max Fischer, The New York Times, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2021 | 05h00

Para a França, o drama geopolítico desta semana - o cancelamento da venda de submarinos para a Austrália e a furiosa resposta ao fato de os Estados Unidos atravessarem o acordo - resume um problema contra o qual a outrora poderosa nação lutou por décadas: como se afirmar como uma potência independente, algo que os líderes franceses consideram essencial, ao mesmo tempo em que mantêm as alianças das quais sabem que a França é dependente.

Reconciliar esse dilema entre independência e confiança tem animado e atormentado a estratégia francesa desde que a 2ª Guerra deixou a maior parte da Europa subjugada a superpotências estrangeiras.

Embora os americanos às vezes vejam a obstinação francesa como motivada por vaidade ou pelo desejo de recuperar o orgulho imperial há muito perdido, os líderes franceses estão bem cientes de que lideram uma potência de tamanho médio em um mundo dominado por outras maiores.

A venda planejada do submarino segue uma longa linha de movimentos calibrados para projetar o poder francês, mantendo a capacidade do país de dirigir seu próprio destino, enquanto se alinha aos parceiros cuja ajuda Paris sabe que precisa, paradoxalmente, para se manter por conta própria.

Mas a perda do contrato evidenciou a dificuldade de manter as duas abordagens. A resposta da França também. A convocação de seu embaixador em Washington foi feita para mostrar que o país não tem medo de enfrentar nem mesmo os seus aliados. Ao mesmo tempo, ao buscar apoio europeu contra a suposta traição americana, Paris demonstrou que se sente compelida a buscar apoio externo até nisso.

"Para os franceses, independência sempre significou autonomia", disse Bruno Tertrais, vice-diretor da Fundação para Pesquisa Estratégica de Paris. "Mas a autonomia nunca foi 100% independente. O que importa é que é 99% independente", disse ele, acrescentando que isso traz "tensões fundamentais" que não podem ser resolvidas, apenas gerenciadas.

A história por trás do motivo pelo qual os líderes franceses sentem que devem tentar de qualquer maneira, e os desafios que enfrentaram desde então, destacam por que os eventos desta semana enfureceram Paris.

Tendência independente

A 2ª Guerra e suas consequências, que deixaram a Europa dividida entre as forças americanas e soviéticas e viram Washington exercer novas pressões sobre seus agora aliados juniores, muitos dos quais também ocupava militarmente, convenceram os franceses de que aceitar um futuro como um de muitos em uma aliança dirigida pelos americanos, como os britânicos e os alemães ocidentais fizeram, significaria subjugação.

A chegada da era nuclear, com sua ameaça de aniquilação total, convenceu os franceses de que eles teriam que garantir seu próprio caminho no mundo, mesmo que isso às vezes incomodasse os aliados de cuja ajuda eles precisariam para fazê-lo.

Charles de Gaulle, presidente de 1959 a 1969, buscou a ajuda de Washington para unificar a Europa Ocidental contra os soviéticos. Mas ele também minou a influência dos EUA a cada passo, para melhor afirmar a liderança francesa.

Ele supervisionou o surgimento da França como potência nuclear, expulsou as tropas americanas da França, retirou-se da Organização do Tratado Atlântico Norte (Otan) e tentou persuadir a Alemanha Ocidental a afrouxar seus laços com a mesma aliança.

"O fato de que ele fez isso enquanto esperava proteção contínua da aliança da Otan só aumentou a exasperação dos americanos", escreveu o historiador John Lewis Gaddis.

Em 1967, de Gaulle encomendou um relatório explorando uma estratégia nuclear chamada "defesa em todas as direções", capaz de "intervir em qualquer parte do mundo". Foi uma declaração ousada de ambição global, construída de um meio de dissuasão totalmente criado por ele mesmo.

Mas, na prática, a postura nuclear da França era simultaneamente "nacional" - destinada a deter os soviéticos sem ajuda externa - e relutantemente "reconheceu, embora tacitamente, a relação entre o condenado dissuasor americano e o francês", o estudioso Philip H. Gordon escreveu.

Os planos de ataques nucleares foram concebidos para apoiar uma esperada intervenção americana e, se necessário, forçá-la por meio de uma escalada - um resumo adequado da ambição da França de apoiar, agir separadamente e coagir os americanos.

É uma formulação mais complexa do que independente: reconhece e até explora a confiança nos Estados Unidos. E é um padrão que a França tem seguido desde então, com nada menos que um senso de risco existencial, até os eventos desta semana.

Projetando poder

À medida que a era dos impasses nucleares se desvaneceu, a França mudou para ferramentas mais contemporâneas. Ela usa sua cadeira no Conselho de Segurança das Nações Unidas para atuar como um par diplomático das principais potências. Envia mantenedores da paz para pontos críticos globais. E vende armas sofisticadas no exterior.

"Essa tendência independente, a tendência gaullista que levou à independência das armas nucleares, é verdadeira também no reino comercial", disse Vipin Narang, cientista político do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

"Suas impressões digitais estavam em todos os países preocupantes durante a Guerra Fria", acrescentou ele, referindo-se a novos Estados nucleares como Israel e Índia.

As exportações de armas trazem à França um relacionamento militar direto com Estados estrategicamente posicionados e potências independentes, especialmente na Ásia, incluindo Índia e Vietnã.

O presidente Emmanuel Macron buscou uma abordagem mais favorável do que de Gaulle. Embora tenha assinado um acordo comercial da União Europeia com a China, ele se alinhou com o esforço liderado pelos EUA para conter os chineses, exercendo pressão dentro da Europa e fornecendo armas a países com interesses semelhantes no exterior.

"Tentamos, do nosso ponto de vista, com o contrato de submarinos, desenvolver uma contribuição autônoma, mas não desconectada, para a segurança no Indo-Pacífico", disse Tertrais. "Era uma contribuição positiva de duas potências médias para uma agenda comum."

Mas Macron manteve essa tendência independente, pressionando para que a União Europeia, por exemplo, assumisse os deveres militares regionais da Otan liderada por Washington.

E a França aprendeu que Washington não deixa de agir de forma independente.

"Os franceses foram implacáveis em suas negociações de armas no passado", disse Narang. Embora entendesse a raiva de Paris, ele acrescentou: "Quando alguém joga este mesmo jogo, os franceses ficam chateados".

A retirada do embaixador da França pode parecer uma birra diplomática. Mas segue a mesma estratégia de longa data. Como raciocinou de Gaulle, poucas coisas demonstram disposição de afirmar interesses independentes de Washington como um "apontar de dedo diplomático" aos olhos dos americanos.

Jean-Yves Le Drian, o ministro das Relações Exteriores da França, procurou conseguir uma reação mais ampla, dizendo a uma estação de notícias francesa que as nações europeias devem se unir para defender seus interesses coletivos, até mesmo dos americanos.

Mas Macron até agora está lutando para desferir um grande golpe contra os americanos.

Ele destaca o desafio em sua atualização do século 21 sobre o gaullismo: cultivar uma Europa unificada que possa se comparar aos EUA ou à China. Isso deveria trazer a França, como líder informal, uma plataforma para suas ambições e, para toda a Europa, escapar do domínio americano.

"A pergunta da França é grande: ela quer que esses países passem a vê-la e não aos EUA como seu protetor", tuítou Ben Judah, analista franco-britânico do Atlantic Council.

E essa missão é complicada pela mesma tendência independente e ambições globais que a motivaram em primeiro lugar. A insistência francesa em abordar a Rússia como outra grande potência e membro do Conselho de Segurança da ONU, por exemplo, irrita os Estados europeus e prejudica as esperanças de unidade.

"Essa tensão é muito difícil de resolver", reconheceu Tertrais. "Não tenho certeza se isso pode ser resolvido."

A resposta silenciosa da Europa até agora aos apelos franceses por unidade, como em tantos momentos na semana passada, é um lembrete de que as contradições dentro da estratégia da França "dependente-mas-independente", "europeia-mas-global", de primeiro entre os pares, inevitavelmente vão cobrar um preço.

A luta para administrar essas contradições de qualquer maneira não é nova, para Paris ou Washington.

Em 1992, Gordon, o estudioso da política francesa, escreveu que as disputas durante a Primeira Guerra do Golfo mostraram "os limites de sua suposta independência".

Ambas as capitais saíram desejando maior alinhamento em questões globais, mesmo que apenas por seus valores e agendas compartilhados.

Mas fazer isso não seria possível, a menos que "ambos os lados saiam de seu caminho para tranquilizar o outro", escreveu Gordon, que está descobrindo exatamente como isso pode ser difícil em seu trabalho atual, como assessor adjunto de segurança nacional na Casa Branca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.