Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

França, Alemanha e Reino Unido pedem aos EUA que empresas europeias possam negociar com Irã

Carta enviada ao secretário de Estado americano pede que entidades e indivíduos europeus sejam protegidos; potências europeias permaneceram no acordo nuclear mesmo após retirada americana

O Estado de S.Paulo

06 Junho 2018 | 10h54

LONDRES - Grã-Bretanha, França e Alemanha se uniram para pedir aos Estados Unidos que isentem empresas europeias de quaisquer sanções impostas sobre negócios com o Irã. Ministros dos três países enviaram uma carta, divulgada nesta quarta-feira, 6, ao secretário de Estado americano, Mike Pompeo. O documento foi assinado pelo ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, e os ministros das Finanças francês e alemão, Bruno Le Maire e Olaf Scholz. O grupo de países faz parte do acordo nuclear com o Irã, assinado em 2015, e afirma lamentar "fortemente" a decisão do presidente Donald Trump de retirar os EUA da negociação.

+ Especial: Negociação nuclear com o Irã

+ Empresas europeias ponderam sobre investimentos no Irã

+ EUA querem impor sanções a europeus que negociarem com Irã

Trump justificou sua decisão argumentando que o acordo estabelecia regras fracas para o controle do programa nuclear iraniano e afirmou que vai impor sanções a qualquer empresa que faça negócios com Teerã. Na carta, as autoridades europeias disseram esperar que "os efeitos extraterritoriais das sanções secundárias dos EUA não sejam impostas a entidades e indivíduos da União Europeia (UE)" e que Washington conceda isenções para as empresas que têm mantido negócios com o Irã. Além disso, as três nações ressaltam querer que sua decisão política de manter o acordo seja repeitada, assim como os operadores econômicos dentro do território legal do bloco.

+ EUA ameaçam aplicar sanções 'sem precedentes' contra o Irã

+ EUA impõem sanções econômicas contra chefe do banco central iraniano

Outro ponto defendido pelos ministros é de que Teerã não seja retirada do sistema SWIFT de transferências monetárias internacionais. Os europeus ressaltam seu apoio à manutenção da negociação, argumentando que é o "melhor meio" para impedir que o Irã se torne uma potência nuclear. "Parece não haver alternativas confiáveis neste momento", disseram as autoridades, alertando que o fim do acordo iria "desestabilizar ainda mais um região onde conflitos seriam desastrosos".

+ Irã quer aumentar centrífugas para enriquecer urânio e Netanyahu diz que plano visa atacar Israel

A divulgação da carta ocorreu um dia após a declaração do Irã de que está se preparando para retomar o enriquecimento de urânio dentro dos limites do pacto. A afirmação pareceu demonstrar principalmente que o país pode retomar o enriquecimento em escala industrial se a negociação for anulada. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.