França anuncia intervenção na Líbia

Caças franceses e italianos já sobrevoam o país; Reino Unido, EUA, Canadá e Catar devem participar

estadão.com.br

19 de março de 2011 | 11h46

  Mais cedo, caça rebelde foi derrubado em Benghazi. Foto: Anja Niedringhaus/AP 

PARIS - O presidente francês, Nicolas Sarkozy, anunciou neste sábado, 19, o início da intervenção militar na Líbia para a imposição de uma zona de exclusão aérea e medidas para proteger a população civil dos ataques do ditador Muamar Kadafi. A ação foi aprovada na quinta-feira à noite pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

 

 

"Nossos aviões já estão impedindo ataques aéreos em Benghazi", disse Sarkozy. Segundo o presidente francês, as primeiras ações serão executadas por França, Reino Unido, EUA, Canadá e países árabes.

 

Sarkozy acusou Kadafi de desdenhar os ultimatos internacionais e prometeu agir para conter o que chamou de 'loucura assassina' na Líbia. "Nosso dever é apoiar os povos árabes. Nossa determinação é total", disse.

 

Pouco antes do anúncio, caças Rafale da Força Aérea Francesa já sobrevoavam o espaço aéreo líbio em missões de reconhecimento. Jatos italianos também fizeram o mesmo pouco depois. O premiê Silvio Berlusconi ofereceu a base da Otan em Nápoles como centro de comando da operação. Devem participar da ação militar também Reino Unido, Canadá e Catar.

 

Ultimato

 

Na sexta, o governo líbio declarou um cessar-fogo e convidou observadores internacionais para verificá-lo. Os rebeldes, no entanto, denunciaram que os ataques continuam. O presidente americano, Barack Obama, foi à público e deu um ultimato a Kadafi.  

 

Ele exigiu que o cessar-fogo fosse completo e imediato e ordenou o fim de todos os ataques contra os rebeldes que lutam pela queda de Kadafi. O americano mandou Kadafi se retirar de Benghazi, Misrata, Ajdabiya, Az-Zawyia e reestabelecer fornecimento de gás, e petróleo em todas as áreas do país.

 

"Esses termos não são negociáveis. Se Kadafi não respeitar a resolução, aplicaremos seus termos por meio de uma intervenção militar", ameaçou Obama.

Ataque a Benghazi

 

Hoje pela manhã, tanques das forças do coronel Muamar Kadafi entraram na cidade de Benghazi, no leste da Líbia, palco de combates sustentados durante a madrugada deste sábado. Imagens mostradas pela TV Al-Jazira mostraram partes de Benghazi sob uma nuvem de fumaça. Um avião caça foi abatido neste sábado sobre a cidade de Benghazi, no leste da Líbia. Ainda não se sabe se o caça era dos rebeldes ou de forças do governo.

 

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaintervençãoSarkozyKadafi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.