França: atirador pode ser o autor de três chacinas

Um motoqueiro abriu fogo com duas pistolas na manhã desta segunda-feira contra as pessoas que estavam na frente de uma escola judaica em Toulouse, no sul da França, matando a tiros um rabino, dois filhos do professor e uma aluna. O atirador usou armas de calibre 45 para fazer a chacina e fugiu em uma moto. A polícia francesa iniciou uma caçada pelo matador. O tiroteio em frente à escola se segue a dois ataques contra soldados franceses que aconteceram na semana passada, em Montauban e em Toulouse, que deixaram três mortos. No total, o motoqueiro atirador já teria deixado sete mortos. Um adolescente de 17 anos ficou gravemente ferido nesta segunda-feira. O ministro do Interior da França, Claude Guéant, disse ao jornal Le Monde que existem "os elementos que colocam seriamente a questão de existir uma ligação" entre os três ataques.

AE, Agência Estado

19 de março de 2012 | 17h57

O ataque ocorre em meio à plena campanha eleitoral. O presidente Nicolas Sarkozy, que tenta a reeleição em 22 de abril, visitou Toulouse e foi à escola Ozar Hatorah. "Esse é um dia de tragédia nacional porque crianças foram mortas a sangue frio", disse Sarkozy, ao denunciar a "selvageria" do ataque e prometendo levar à Justiça o assassino ou os assassinos. O principal candidato da oposição, François Hollande, do Partido Socialista (PS), também visitou Toulouse. "Eu tenho que estar aqui para prestar minha solidariedade à cidade de Toulouse e dizer que não foi apenas uma escola judaica que foi atingida, foi a cidade e também a França inteira", disse Hollande.

O ataque desta segunda-feira poderá ter consequências políticas na França, país que tem a maior comunidade judaica da Europa, cerca de 500 mil pessoas. Toulouse, maior cidade do sul após Marselha, tem 440 mil habitantes, dos quais entre 10 mil e 15 mil são judeus, disse Jean-Paul Amoyelle, presidente da rede de escolas judaicas Ozar Hatorah no sul francês.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.