França aumenta toque de recolher para conter coronavírus

Medida passa a valer a partir de 18h e não mais 20h em 15 departamentos do país

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2021 | 13h22

PARIS - Diante do aumento da circulação do coronavírus, a França decidiu ampliar o toque de recolher vigente em 15 departamentos do país a partir do sábado, 2. As medidas valem nos departamentos do nordeste e do sudeste

O governo impôs um toque de recolher aos franceses das 20h00 às 6h00 a partir de 15 de dezembro, dia em que suspendeu o segundo lockdown geral. A partir de agora, o toque de recolher começa às 18h e não mais 20h nos departamentos de Ardennes, Doubs, Jura, Meuse, Moselle, Nièvre, Saône-et-Loire, Marne, Altos Alpes, Alto Marne, Alpes Marítimos, Meurthe-et-Moselle, Haute-Saône, Vosges e Território de Belfort. 

"O vírus está circulando na França com diferença entre os territórios", explicou o porta-voz do governo, Gabriel Attal, em entrevista ao canal TF1. A França tem o maior número de casos na Europa Ocidental e o quinto do mundo, com 2.62 milhões. Já o número de mortes ultrapassou 64 mil. Enquanto isso, 20 mil novos casos foram confirmados nas últimas 24 horas - quantidade distante da meta 5 mil casos por dia.

“O que os cientistas estão nos dizendo é que esse toque de recolher está funcionando. Quando você estabelece um toque de recolher, você limita as interações sociais. Ao avançar para as 18 horas, você limita ainda mais esses encontros", justificou Attal.

A França já fez dois lockdowns nacionais. Essas medidas foram flexibilizadas em meados de dezembro, mas restaurantes e bares ainda seguem fechados e não está claro quando poderão reabrir. A data prevista inicialmente era 20 de janeiro. Mas Attal reiterou que os espaços culturais não reabrirão em 7 de janeiro, como dito anteriormente.

"Se a situação piorar em algumas regiões, tomaremos as decisões necessárias", alertou, quando questionado sobre um novo lockdown. / AFP e Reuters 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.