França: caso Elf pode virar um exemplo

A Justiça francesa parece disposta a fazer do caso Elf um exemplo para o país. Isso explica a severidade das penas solicitadas pelo procurador contra os principais indiciados por abuso de bens sociais, entre eles o ex-chanceler e antigo presidente do Conselho Constitucional - o quinto cargo da república -, Roland Dumas. O procurador Jean-Pierre Champrenault pediu 2 anos de prisão e multa equivalente a US$ 400 mil para o ex-ministro de François Mitterrand, criticando-o severamente durante a leitura da peça acusatória no tribunal: "O senhor renunciou ao dever moral que sua função impunha."Dumas, antigo e brilhante advogado, ficou conhecido no início da carreira por suas denúncias contra a corrupção, amplamente reproduzidas na época pelo jornal satírico francês Le Canard Enchainé.Paradoxalmente, no ocaso da carreira, ele se encontra na posição inversa, com o caso Elf denunciado pelo mesmo jornal. "A história é cruel quando o vemos (como acusado) na situação que denunciou no passado", afirmou o procurador.Leia Mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.