França condena declarações "inaceitáveis" de Ahmadinejad

O ministro do Exterior francês, PhilippeDouste-Blazy, condenou nesta sexta-feira as declarações "inaceitáveis" dopresidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, contra a existência deIsrael. Em discursos na quinta e na sexta-feira, o líder iraniano disse que Israel"não tem legalidade", "não deveria existir" e "foi criado paraengolir a região". A França já havia criticado as passadas declaraçõesantiisraelenses de Ahmadinejad, incluindo sua afirmação de que oEstado judeu deve ser "riscado do mapa". Na quarta-feira, ao término de uma visita a Moscou, oprimeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, disse que seu país jamaispermitirá que o Irã possua armas nucleares. Perguntado nesta sexta-feira sobre a afirmação de Olmert, o porta-voz do Ministério doExterior francês afirmou: "Para nós não há uma opção militar.Privilegiamos muito claramente a via diplomática". A Chancelaria francesa não especificou quando será apresentado noConselho de Segurança da ONU o projeto de resolução sobre as sançõesao Irã, que se negou a suspender seu enriquecimento de urânio. O Ministério das Relações Exteriores informou que o objetivo nãoé castigar o Irã, mas tentar convencê-lo a voltar à mesa deNegociações. Os contatos entre o representante diplomático da União Européia,Javier Solana, e o principal negociador nuclear iraniano, AliLarijani, não permitiram chegar a um acordo sobre a suspensão dasatividades de enriquecimento de urânio do Irã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.