França confirma soltura de refém seqüestrado no Afeganistão

As autoridades francesas confirmaram a libertação de um dos dois franceses seqüestrados no Afeganistão há mais de três semanas, junto com mais três afegãos."Esta libertação é o resultado dos esforços levados a cabo há mais de três semanas. Eles devem prosseguir com a mesma determinação e discrição, até a libertação dos outros reféns", disse o Ministério de Assuntos Exteriores.No breve comunicado, o departamento não especifica qual dos dois reféns foi libertado esta manhã, mas os talebans anunciaram, mais cedo, que havia sido libertada a jovem trabalhadora humanitária da ONG Terre d´Enfance, seqüestrada no último dia 3, junto com um compatriota e três colegas afegãos na província de Nimroz, no sul afegão.A jovem, conhecida só por seu primeiro nome, Céline, foi libertada neste sábado no distrito de Maiwand, na província de Kandahar (sul), disseram os talebans.A mulher agora está indo para Cabul na companhia "das autoridades francesas que acabaram de recuperá-la", disse o presidente da Terre d´Enfance, Antoine Vuillaume, após ter sido recebido no Ministério de Assuntos Exteriores.Vuillaume disse que, devido aos 24 dias de cativeiro, a jovem encontra-se "muito debilitada". Além disso, considerou a libertação da trabalhadora humanitária "um grande alívio" e "uma esperança" para os outros quatro reféns.Neste sábado, 28, vence o ultimato que os talebans haviam dado, no último dia 20, para que a França retirasse suas tropas do Afeganistão e o governo afegão libertasse vários rebeldes.Em seu comunicado deste sábado, os talebans disseram que agora esperam "uma boa resposta do governo francês e de sua gente" quanto à retirada das tropas francesas do Afeganistão.Eles destacaram ainda que decidiram prorrogar o prazo porque "atualmente há eleições na França e a população está ocupada com isso"."Ao libertar a mulher francesa (...), o que esperamos é que o governo francês retire suas tropas do Afeganistão e construa uma boa relação com o Taleban", acrescentam os rebeldes, na nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.