França: Conservadores vencem eleições locais

O ex-presidente da França Nicolas Sarkozy criticou "as mentiras, a negação e a impotência" do governo dos socialistas no país, após estimativas mostrarem que seu partido conservador e seus aliados contabilizaram vitórias em toda a França, nas eleições locais, realizadas neste domingo. A esquerda, de François Hollande, perdeu quase metade dos seus conselhos na votação.

Estadão Conteúdo

29 Março 2015 | 19h00

O primeiro-ministro socialista da França, Manuel Valls, admitiu que o UMP, o principal partido da direita, ganhou a votação. "É incontestável", disse Valls, lamentando as divisões no seio da esquerda que, segundo ele, custaram caro. Os socialistas também perderam seu domínio sobre o município de Correze, cidade natal do presidente François Hollande, cujo controle foi conquistado pela direita, disse o Ministério do Interior. Essonne, feudo político de Valls localizado ao sul de Paris, parecia também estar se encaminhando para uma vitória da direita.

Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, pode ter uma amarga surpresa, ao não conseguir aparentemente vencer em nenhum município, até mesmo em Vaucluse, no Sul, onde sua sobrinha Marion Marechal-Le Pen - uma das três parlamentares do partido - é uma figura importante. A líder da Frente Nacional estava triunfante depois da primeira rodada, na semana passada, quando seu partido obteve 25% dos votos, ficando em segundo atrás do concorrente principal de direita. Ainda assim, seu partido pode reivindicar até 90 vereadores em todo o país.

Após a contagem dos resultados em 66 de 98 regiões, o Ministério do Interior disse que o Partido UMP, de Sarkozy, e seus aliados, obtiveram 46% dos votos, ante 34% conquistados pela esquerda e 20%, do Frente Nacional.

Sarkozy declarou, em um comunicado, que a direita prepararia uma mudança "para restabelecer o país e interromper o declínio no qual foi mergulhado pelo socialismo mais arcaico da Europa". Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
França eleições vitória direita

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.