França desiste de proibir cigarro em bares e restaurantes

Diferentemente da Itália, Espanha e da Grã-Bretanha, onde as leis antitabaco são cumpridas à risca, a França desistiu de proibir o fumo em bares e restaurantes. O governo francês evitou entrar em rota de colisão com os fumantes do país, pouco tempo depois de ter enfrentado sérias discussões com sindicatos e estudantes sobre o polêmico contrato de trabalho dos jovens. Desde meados dos anos 90, o governo obrigou que estabelecimentos públicos seguissem algumas normas, como reservar locais para quem não fuma. Contudo, a proibição total do fumo não era bem visto pela sociedade francesa. Integrantes de campanhas antitabagistas classificaram as autoridades do país como "vendidas". De acordo com eles, a decisão coloca em risco a saúde e a vida de milhões de pessoas em toda França. A proposta inicial do governo francês era proibir de vez o cigarro em restaurantes e obrigar os fumantes a só acendê-los em locais fechados e ventilados, em que não fossem servidos nem comida e nem bebida alcoólicas. Contudo, na quarta-feira, o governo afirmou que havia adiado a aprovação de leis sobre a proibição do cigarro e convocou um processo de consultas que deve demorar meses. Estudos apontam que o cigarro mata 60 mil pessoas por ano na França. Um dos argumentos das autoridades para combater o fumo em locais públicos é atrair mais turistas, principalmente os que se preocupam com questões desse tipo.

Agencia Estado,

14 Abril 2006 | 18h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.