Evaristo Sá|AFP
Evaristo Sá|AFP

França disponibilizará serviços de inteligência para Brasil garantir segurança na Olimpíada

Em visita a Brasília, o ministro francês Laurent Fabius se reuniu com Dilma e alertou sobre a necessidade de que todos os países se preocupem 'de forma séria' com medidas de combate ao terrorismo

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2015 | 17h15

BRASÍLIA - O ministro dos Negócios Estrangeiros e do Desenvolvimento Internacional da França, Laurent Fabius, afirmou que seu país vai colocar à disposição do Brasil serviços de inteligência para troca de informações para reduzir ao máximo riscos à segurança do Brasil, no período da Olimpíada. "Compartilhamos da análise de que o que aconteceu em Paris poderia ter ocorrido em outros países, porque o terrorismo está organizado internacionalmente", disse, durante entrevista coletiva concedida neste domingo, 22, em Brasília. Para ele, é evidente a necessidade de que medidas de segurança sejam adotadas durante todo o período.

Fabius chegou ao Brasil neste fim de semana, como parte de um roteiro preparatório para a COP 21, que começa dia 30, na França. Na manhã deste domingo, ele se encontrou com a presidente Dilma Rousseff durante quase uma hora. O Brasil foi o último trecho do roteiro: nos últimos dias, Fabius esteve também na Índia e na África do Sul. Durante o encontro, Dilma prestou solidariedade sobre os ataques ocorridos há duas semanas. "Fiquei sensibilizado", relatou Fabius, que também prestou solidariedade sobre a tragédia ambiental ocorrida em Mariana.

O ministro alertou sobre a necessidade de que todos os países se preocupem "de forma séria" com medidas para o combate ao terrorismo. "Estou convencido de que tudo será feito", avaliou. O ministro de Relações Exteriores brasileiro, Mauro Vieira, afirmou que a troca de informações será bem-vinda. "Durante o encontro, falamos sobre tristes acontecimentos, comentamos sobre as medidas que estão sendo adotadas", disse. Vieira observou que a França tem experiência em organizar eventos esportivos, citou como exemplo a Copa do Mundo e as Olimpíadas de Inverno. "Vamos ouvir e discutir os comentários e ver o que tem a oferecer."

O ministro francês comentou ainda sobre as medidas de segurança em torno da conferência de clima, que deverá se estender até o dia 11 de dezembro. Ele considerou essencial a manutenção do evento. "Não podíamos  ceder. A partir de agora temos de manter a segurança em um nível de 100%", disse. A tarefa, em sua avaliação, é possível nos locais onde a reunião do clima deverá ocorrer. O mesmo, no entanto, não acontece nas ruas. "Estamos assegurando um número considerável de forças. Todas as delegações vão estar num sítio protegido. Mas não temos como assegurar a segurança nas ruas", disse, motivo pelo qual foram proibidas as manifestações. "Não temos como controlar a parte externa."

Questionado sobre a possibilidade de a Grã Bretanha participar das operações em campo, dentro da ofensiva contra o terrorismo desencadeada depois dos ataques em Paris, no último dia 13, Fabius procurou não ser taxativo. Informou que o primeiro-ministro David Cameron será recebido na França nesta segunda-feira, 23. "Não sei o que o primeiro-ministro deseja. Mas tenho observado que os amigos estão solidários para o combate ao terrorismo nas nossas análises e estão se voluntariando na luta." De acordo com o ministro, além de Cameron, serão realizados encontros com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na terça, 24, com a premiê alemã Angela Merckel na quarta, 25 e com o presidente russo Wladimir Putin na quinta, 26.

Diante da escalada do terrorismo, Fabius afirmou ser necessário atuar de forma “implacável”.  “Ações de segurança necessitam ser  exercidas de forma dura”, completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.