França diz estar pronta para negociar com Al-Qaeda

Os cinco reféns franceses e outros dois estrangeiros sequestrados no Níger por militantes do grupo Al-Qaeda estão vivos e mantidos nas montanhas ao norte de Mali, disse o gabinete do presidente da França, Nicolas Sarkozy, neste domingo. Homens armados sequestraram cinco cidadãos franceses, incluindo um casal, junto com um togolês e um malgaxe no dia 16 de setembro, durante uma visita a uma cidade com minas de urânio nos desertos ao noroeste do Níger.

AE, Agência Estado

26 de setembro de 2010 | 15h39

"Estamos prontos para negociar com os sequestradores", disse a assistência presidencial neste domingo, referindo-se ao Al-Qaeda do Magreb Islâmico. A assistência disse que "temos todos os motivos para pensar que os sequestradores estão vivos" e que foram levados para a zona deserta montanhosa de Timetrine no norte de Mali, próximo à fronteira com a Argélia.

A maior parte dos sequestrados trabalham na companhia estatal francesa nuclear Areva ou na companhia de engenharia Satom. Ambas empresas retiraram trabalhadores estrangeiros das operações de minas de urânio do Níger.

A França advertiu aos seus cidadãos para que evitem viajar para países no oeste ou norte da África que abriguem a vasta região de deserto de Sahel, onde a rede Al-Qaeda se tornou forte nos últimos anos. Chefes de exército e peritos antiterroristas da região de Sahel se reuniram neste domingo no sudeste da Argélia para discutir como evitar a crescente ameaça de grupos militantes ligados ao Al-Qaeda.

A França já colocou 80 unidades militares de inteligência e aviões de reconhecimento no Saara para tentar seguir a facção, mas as autoridades negaram até agora que houvesse uma missão de resgate em andamento.

As forças francesas estão mapeando a área de deserto rochoso e de montanhas de areia, seis vezes o território da França, onde podem estar nômades tuaregues, caravanas, contrabandistas ou militantes do Al-Qaeda. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaAl-QaedaSarkozi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.