AFP PHOTO / Adrian DENNIS
AFP PHOTO / Adrian DENNIS

França e Alemanha criticam Johnson na chancelaria britânica

Chanceleres do núcleo da UE dizem que novo chefe da diplomacia britânica mentiu durante campanha do Brexit

O Estado de S. Paulo

14 Julho 2016 | 18h12

PARIS  - A nomeação do ex-prefeito de Londres Boris Johnson, principal ideólogo do Brexit, como chanceler britânico provocou críticas dos principais países da União Europeia - Alemanha e França. Um dia depois de apresentar seu gabinete, no qual Johnson foi a principal surpresa, a nova premiê Theresa May foi convidada para discutir as condições da saída britânica da UE com a chanceler alemã, Angel Merkel. 

"Não estou nem um pouco preocupado com Boris Johnson, mas... durante a campanha ele mentiu muito para o povo britânico, e agora é ele quem está com as costas na parede", disse o chanceler francês Jean-Marc Ayrault à rádio Europe 1.

Após a consulta popular de 23 de junho, Johnson desistiu da chance de concorrer a primeiro-ministro no lugar do conservador David Cameron, que renunciou depois de defender sem sucesso a permanência de seu país no bloco.

Na quarta-feira, porém, sua sucessora, Theresa May, indicou o ex-prefeito de Londres e outrora jornalista como seu ministro das Relações Exteriores.

Johnson, porém, não estará a cargo das conversas sobre o procedimento de desfiliação britânica. May nomeou David Davis, ex-presidente do Partido Conservador e defensor da saída da UE, para um cargo ministerial especial para essa função.

Mesmo assim, Ayrault, geralmente moderado em seus comentários, emitiu um alerta contundente para o novo representante de política externa de seu vizinho próximo.

"(Ele está) pressionado contra a parede para defender seu país, mas também contra a parede no relacionamento com a Europa que precisa ser claro", disse Ayrault.

"Preciso de um parceiro com quem possa negociar e que seja claro, crível e confiável", acrescentou. "Não podemos deixar esta situação ambígua, incerta se arrastar... no interesses dos próprios britânicos".

Em Berlim o ministro de Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, disse que a condução de Johnson na campanha do Brexit foi enganosa e descuidada. "Ele teve um comportamento ultrajante", disse o ministro alemão. "As pessoas estão testemunhando um despertar desagradável no Reino Unido depois de políticos irresponsáveis terem enganado o país."

Reunião. Merkel, por sua vez, convidou a nova primeira-ministra britânica, Theresa May, para uma reunião em Berlim e que está ansiosa para trabalhar com ela. "É nossa função trabalhar junto com governos de países aliados", disse Merkel em entrevista coletiva durante viagem a Bishkek, no Quirguistão, acrescentando que há muitos problemas no mundo que tornam necessária tal cooperação.

A chanceler disse que conversou com May por telefone na quarta-feira e a convidou para conversações em Berlim. "Estou ansiosa para trabalharmos juntas", acrescentou. 

Merkel se negou a comentar sobre a surpreendente decisão de May de escolher Boris Johnson  como ministro das Relações Exteriores.  /EFE e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.