França e Alemanha evitam se comprometer com apelo de Bush

Um dia após o anúncio do presidente George W. Bush de que os EUA não medirão esforços para estabilizar a situação no Iraque e o pedido de US$ 86 bilhões ao Congresso, vários países começam a se manifestar. A França afirmou que o discurso de Bush abre as portas para um acordo sobre a nova resolução da ONU para o Iraque, atualmente em discussão, mas não ofereceu ajuda sob a forma de tropas ou dinheiro. O chanceler alemão, Joscha Fischer, declarou que a Alemanha está disposta a oferecer ajuda humanitária e contribuir com a reconstrução do país, mas ressaltou mais uma vez que o país não enviará tropas. A Inglaterra anunciou o envio de mais 1.200 soldados para reforçar o contingente de 11 mil que já está no Iraque.Segundo a ministra francesa de Negócios Europeus, Noelle Lenoir, referiu-se ao apelo de Bush por apoio internacional como ?sem dúvida, boas notícias? para o povo iraquiano e a França, e que a atitude de Bush era ?uma abertura para uma resolução adequada? do Conselho de Segurança.Em Bagdá, o administrador americano Paul Bremer disse que os recursos destinados pelos EUA para o Iraque não tinham precedentes e que os Estados Unidos não sairiam do país até que a missão fosse completada. O secretário geral da ONU, Kofi Annan, planeja uma reunião entre os cinco países membros do Conselho de Segurança no próximo sábado, para discutir o projeto de resolução para o Iraque, revelou uma fonte diplomática francesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.