França e Alemanha lideram iniciativa para proibir clonagem

Os governos de França e Alemanha lançaram uma ofensiva diplomática para conseguir que a Organização das Nações Unidas (ONU) proíba a clonagem humana em todo o mundo. A informação é do ministro de Relações Exteriores francês, Dominique de Villepin, que esteve na sede das Nações Unidas em Genebra para defender a proposta.Segundo o chanceler, Paris e Berlim apresentarão ainda neste mês uma proposta de resolução para definir quais são as relações entre os direitos humanos e a bioética. A proposta seria avaliada pela Comissão de Direitos Humanos da ONU.Já no segundo semestre do ano, França e Alemanha voltariam a se unir para pedir que a Assembléia Geral da ONU adote uma declaração que proíba a clonagem de seres humanos para fins reprodutivos.Entre uma iniciativa e outra, Berlim promete que irá realizar a primeira conferência internacional sobre o tema, programada para ocorrer entre maio e junho, com o objetivo de criar a consciência da necessidade de um acordo para banir a clonagem.A proibição já existe na Alemanha e em todos os países que fazem parte da União Européia (UE). A idéia é de que, se toda a comunidade internacional participar do acordo, as empresas e pesquisadores não terão onde atuar e poderão ser presos em qualquer local.Alguns pontos, porém, deverão causar polêmica entre os países. Um deles está relacionado com o desenvolvimento de técnicas de clonagem para poder conseguir, por exemplo, recuperar o funcionamento de órgãos de um ser humano.Para alguns governos, entre eles o alemão, todo o tipo de clonagem deve ser proibido. Para outros, os pesquisadores devem ter o direito de usar a técnica para salvar vidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.