França e Espanha passaram informações para a NSA, dizem fontes

Sob condição de anonimato, americanos disseram que dados foram coletados em zonas de conflito

AE, Agência Estado

29 de outubro de 2013 | 17h17

Duramente criticados pela extensão de suas ações de espionagem contra líderes, empresas e cidadãos de países aliados, os Estados Unidos iniciaram nesta terça-feira, 29, uma contraofensiva e acusaram serviços europeus de espionagem de terem coletado informações e colaborado com a Agência de Segurança Nacional americana (NSA) em alguns casos.

Fontes em Washington asseguraram ao Wall Street Journal nesta terça-feira que algumas das ações de espionagem eletrônica que recentemente causaram alvoroço na França e na Espanha foram executadas pelos próprios serviços de informação desses países e não pela NSA.

De acordo com as fontes, registros telefônicos de europeus em zonas de conflito e outras regiões fora de suas fronteiras foram coletados pelos serviços secretos desses países e depois compartilhados com a NSA em meio aos esforços para proteger civis e militares americanos e aliados.

A versão dos EUA lança luz sobre a colaboração em amplas ações de espionagem. Um porta-voz da Embaixada da França em Washington recusou-se a comentar o assunto. Autoridades espanholas também mantiveram-se em silêncio. A NSA não se pronunciou oficialmente sobre o caso.

A colaboração entre os serviços de espionagem dos EUA e da Europa em zonas de guerra e outras regiões do mundo não têm relação com a espionagem de líderes políticos de países aliados. Recentemente foi divulgado que a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, o atual chefe de Estado mexicano, Enrique Peña Nieto, e seu antecessor, Felipe Calderón, foram espionados.

Nos últimos dias, a partir de informações vazadas pelo ex-agente Edward Snowden, jornais da França e da Espanha revelaram que a NSA teve acesso a dezenas de milhões de registros telefônicos de cidadãos desses países, o que levou os governos desses países a protestarem formalmente contra os EUA.

Segundo o jornal francês Le Monde, mais de 70 milhões de registros telefônicos de franceses foram coletados pela NSA entre dezembro de 2012 e janeiro deste ano. O espanhol El Mundo noticiou que a NSA teve acesso aos registros de 60,5 milhões de telefonemas de espanhóis no mesmo período.

As fontes americanas alegam que os dados publicados pelos jornais foram interpretados "erroneamente". Segundo elas, os registros telefônicos foram coletados pelos próprios serviços de espionagem desses países e depois compartilhados com a NSA.

As fontes esclareceram que não estão acusando França e Espanha de espionar seus cidadãos dentro de suas fronteiras, já que os dados teriam sido coletados em zonas de guerra e outras regiões fora das fronteiras francesas e espanholas, mas asseguraram que a NSA recebeu os dados diretamente desses serviços de espionagem.

A análise das fontes foi feita com base nos documentos do Le Monde. Sob condição de anonimato, elas disseram que as informações do El Mundo parecem ter sido analisadas da mesma maneira "equivocada"./ AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.