Igor Petyx/ANSA via AP
Igor Petyx/ANSA via AP

França e Malta se oferecem para receber imigrantes resgatados na costa da Itália

Primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, solicitou aos 27 membros da União Europeia ajuda para receber os imigrantes

Associated Press

14 Julho 2018 | 22h03

ROMA - Malta e França concordaram em receber 100 dos 451 imigrantes que foram resgatados de um barco pesqueiro no Mediterrâneo, informou a Itália neste sábado, em um dos maiores triunfos do país em seu mais recente enfrentamento exigindo maior cooperação da Europa.

+ Crise de imigração na Europa já passou, mas xenofobia continua

A informação foi divulgada pelo primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, que solicitou aos outros 27 membros da União Europeia a ajuda para receber os imigrantes.

"É um resultado importante", afirmou Conte, em seu perfil no Facebook.

Os imigrantes estavam a bordo de um enorme barco pesqueiro quando os centros de controle das guardas costeiras da Itália e de Malta começaram a discutir na sexta-feira de quem era a responsabilidade de acolhê-los.

+ Itália precisa dos imigrantes para cobrir aposentadorias, diz autoridade 

Malta disse que cumpriu com suas obrigações ao monitorar o barco para ver se ele iria requerer ajuda. Segundo o governo maltês, a tripulação deixou claro que não necessitava de ajuda e que tinha como objetivo chegar ao território italiano de Lampedusa.

O ministro do Interior e vice-premiê da Itália, Matteo Salvini, insiste que Malta deveria abrir seus portos.

No sábado de manhã, os imigrantes foram levados do barco pesqueiro a uma embarcação de resgate da agência de patrulha fronteiriça da União Europeia, a Frontex, e um barco da polícia marítima italiana. À noite, ambas as embarcações atracaram no porto de Pozzallo, na Sicília.

Mais conteúdo sobre:
Giuseppe Conte imigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.