França é o primeiro país a reconhecer formalmente grupo de oposição líbio

Nicolas Sarkozy se reuniu com membros do Conselho de Governo Interino

Associated Press

10 de março de 2011 | 08h17

PARIS - A França reconheceu formalmente o Conselho de Governo Interino da oposição e planeja trocar embaixadores com o órgão recém formado, anunciou o gabinete do presidente Nicolas Sarkozy nesta quinta-feira, 10. O país europeu foi o primeiro a tomar tal medida.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

 

 

O anuncio veio depois que o presidente francês se encontrou com dois representantes do conselho transicional, Mahmoud Jibril e Ali Al-Esawi.

 

"A França reconhece o Conselho Nacional como um representante legítimo do povo líbio. Haverá uma troca de embaixadores entre Paris e Benghazi", informou um porta-voz.

 

Uma fonte diplomática da França disse: "É um sinal político de encorajamento e acreditamos que a União Europeia fará o mesmo."

 

Sarkozy foi o primeiro chefe de Estado a se encontrar com representantes do grupo da cidade oriental de Benghazi, que foi tomada por rebeldes em uma sangrenta revolta contra Kadafi.

 

O Parlamento Europeu está encorajando membros da União Europeia a reconhecer o governo de oposição. O conselho de representantes se reuniu em Estrasburgo no começo desta semana.

 

No entanto, a política da UE é de normalmente reconhecer Estados, e não governos.

 

Detalhes do encontro entre Sarkozy e os enviados ainda não foram divulgados. O gabinete do presidente disse que a situação humanitária na Líbia e as ações do Conselho de Governo Interino dominaram a agenda.

 

Leia ainda:

linkFrança é o primeiro país a reconhecer grupo rebelde

link Forças de Kadafi bombardeiam cidade petrolífera Ras Lanuf

linkRepórter do Estado está preso na Líbia

 

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaKadafirebeldesFrançaSarkozy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.