Francois Mori/AP
Francois Mori/AP

França é o quinto país a registrar mais de mil mortos pelo coronavírus 

Desde o início da epidemia, foram registrados 1.100 mortos (240 nas últimas 24 horas) e 22.300 casos de Covid-19

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2020 | 17h10
Atualizado 24 de março de 2020 | 17h56

PARIS - A França superou a barreira dos mil mortos e dos 20 mil contágios por coronavírus, informou nesta terça-feira, 24, o diretor-geral encarregado da Saúde, Jérôme Salomon. A França torna-se assim o quinto país a ultrapassar a marca dos mil mortos depois de China, Itália, Irã e Espanha

O comitê de especialistas que assessora a presidência francesa sobre o surto sugeriu que o bloqueio nacional imposto na semana passada por 15 dias iniciais deveria durar pelo menos seis semanas. O ministro da Saúde, Olivier Veran, disse em um comunicado que não poderia determinar neste momento quando o bloqueio terminaria.

Desde o início da epidemia, foram registrados 1.100 mortos (240 nas últimas 24 horas) e 22.300 casos de Covid-19, informou Salomon em entrevista coletiva transmitida pela TV.

Salomon disse que 2.516 pessoas estavam em estado grave, um aumento de 21% em relação à segunda-feira, com 8 mil leitos hospitalares agora equipados com respiradores.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Se o governo decidir seguir a recomendação do conselho científico, a França permanecerá em confinamento até 28 de abril. Uma declaração do conselho, que orienta o presidente Emmanuel Macron sobre a crise do coronavírus, também disse que o bloqueio é a única estratégia realmente eficaz no momento e "precisa ser rigorosamente implementada"

O confinamento da população obriga todos os franceses a permanecerem em casa, exceto para saídas essenciais. /AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.