França e Otan negam fogo amigo em confronto no Afeganistão

Militares feridos no ataque do Taleban dizem ao 'Le Monde' terem sido alvo dos aviões da aliança militar

Associated Press e Reuters,

21 de agosto de 2008 | 15h07

O ministro de Defesa francês, Herve Morin, e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) disseram nesta quinta-feira, 21, que não havia sinais de que as forças francesas tenham sido atingidas por fogo amigo no Afeganistão. Dez franceses foram mortos durante um confronto com rebeldes nesta segunda-feira, no incidente mais mortífero para as forças estrangeiras nesse país em mais de três anos. O jornal Le Monde publicou relatos de soldados franceses presentes no conflito, segundo os quais as tropas teriam sido atingidas por aeronaves da Otan. Ainda segundo os relatos de soldados, que falaram sob condição de anonimato, o apoio às tropas francesas demorou horas para chegar. Morin afirmou que o reforço chegou 20 minutos depois da emboscada. "Nenhum soldado francês durante o incidente reclamou por rádio que era atingido por fogo amigo", disse a porta-voz da Otan Carmen Romero, afirmando ainda que nenhum militar francês comunicou depois do incidente seus superiores no comando sobre o fato.  O presidente francês, Nicolas Sarkozy, evitou o assunto do possível fogo amigo. Durante uma cerimônia fúnebre pelos soldados mortos, o líder preferiu tratar da importância da campanha no Afeganistão. "Nós não temos o direito de perder ali". Em abril, Sarkozy concordou em ampliar as tropas francesas de 700 para 2.600 soldados, atendendo à pressão dos Estados Unidos por maior engajamento dos aliados da Otan. Brown no Afeganistão O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, foi ao Afeganistão no caminho de sua viagem para a Olimpíada de Pequim. Em Cabul, Brown afirmou que o trabalho das tropas no país ajudava a prevenir o terrorismo em solo britânico. Brown pediu a ampliação do Exército afegão, passo visto como essencial para a estabilização do país. Além disso, o primeiro-ministro pediu mais cooperação entre Afeganistão e Paquistão no combate aos insurgentes que atuam na região fronteiriça. Também nesta quinta-feira, a coalizão liderada pelos Estados Unidos afirmou ter matado mais de 30 insurgentes durante um confronto no leste. O governador da província de Laghman, Lutfullah Mashal, disse que as bombas da coalizão, lançadas na noite de quarta-feira, atingiram rebeldes na fronteira entre Laghman e Cabul. Os mortos poderiam, segundo a coalizão, ter envolvimento com a morte dos soldados franceses.

Tudo o que sabemos sobre:
OtanAfeganistãoFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.