França é palco de mais ataques anti-semitas

A onda de violência anti-semita iniciada no último final de semana na França incrementou-se nas últimas horas com dois novos atentados ? um no sul do país e outro no subúrbio da capital.Em Montpellier, na costa mediterrânea, homens desconhecidos lançaram coquetéis molotov em uma construção vizinha a uma sinagoga, a qual, segundo a polícia, consistia no alvo original do atentado.Três jovens que se encontravam a cera de 200 metros do local foram detidos para interrogatórios. A polícia recusou-se a fornecer mais informações.O atentado ocorreu depois de uma série de ataques contra alvo judeus nos últimos dias em território francês, fato que coincide com o agravamento das tensões no Oriente Médio.No ataque de hoje em Montpellier, dois escritórios no edifício que alberga a secretaria de Meio Ambiente da região de Herault ficaram danificados, segundo informações da polícia.Alguns líderes judeus chegaram ao local ao mesmo tempo que o governador Daniel Constantin e o prefeito de Montpellier, Georges Freche."Trata-se provavelmente de um ato de delinqüentes juvenis", disse Constantin. "É visível que não houve planejamento...dado que eles erraram o edifício".Na noite de ontem para hoje, um ônibus de uma escola judia no subúrbio parisiense de Aubervilliers foi incendiado em um ataque que causou também danos em dois automóveis.Terça-feira à noite, dois atacantes lançaram bombas incendiárias contra uma sinagoga de Marselha, também na costa mediterrânea. Outro templo judeu na cidade foi consumido pelo fogo no domingo.Apesar dos ataques, o ministro francês das Finanças, Laurent Fabius, que é judeu, afirmou hoje que a "França não é anti-semita". No entanto, admitiu a ocorrência de "atos anti-semitas, que devem ser condenados com particular firmeza".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.