França envia ajuda para opositores de Khadafi

País anunciou envio de dois aviões com ajuda humanitária para Benghazi, controlada pelos rebeldes.

BBC Brasil, BBC

28 de fevereiro de 2011 | 14h27

Fillon disse que deve ocorrer um aumento da imigração para o bloco

O governo da França anunciou nesta segunda-feira o início de uma grande operação humanitária para ajudar os opositores do líder da Líbia, Muamar Khadafi, e assim pressioná-lo a deixar o poder.

O país decidiu enviar dois aviões com ajuda humanitária, incluindo médicos, enfermeiros e medicamentos, para a cidade de Benghazi - a segunda maior do país, e que está sob controle dos rebeldes.

"Este é o início de uma grande operação de apoio humanitário para as populações de territórios liberados", disse o primeiro-ministro francês, François Fillon.

Segundo ele, Paris está examinando todas as possíveis medidas possíveis para forçar a saída do líder líbio, até mesmo algum tipo de intervenção militar.

Entretanto, ele salientou que qualquer solução teria que ser de comum acordo com outros países e aprovada no Conselho de Segurança da ONU.

Resposta coletiva

Fillon disse também que a União Europeia deve preparar uma resposta coletiva para ajudar os países do norte da África durante a transição rumo a democracia.

"Se, por exemplo, a Tunísia não der o exemplo de uma transição bem-sucedida para a democracia, enviaria uma mensagem terrível para todos os países da região, com consequências sombrias, podendo levar ao retorno das piores forças, e é papel da França ajudar", disse ele, ressaltando que o apoio deve ser econômico.

Fillon disse que a melhor forma é "ajudar a Tunísia, o Egito, garantir que a situação se estabilize na Líbia. Esta é a resposta que cabe a União Europeia", disse ele.

Nesta segunda-feira a União Europeia aprovou um pacote de sanções contra a Líbia.

O ministro francês afirmou que o bloco também deve se preparar para um aumento do movimento migratório.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.