França estuda anular até 50% da dívida iraquiana

A França, uma das principais credoras internacionais do Iraque, está analisando a anulação de até 50% da dívida iraquiana (cerca de 4,2 mil milhões de euros), noticiou neste domingo a agência France Presse, citando fonte oficial francesa. Mas a mesma fonte enfatizou que será impossível decidir a questão enquanto não estiver estabelecida uma autoridade formal no Iraque. Em dezembro de 2003, os EUA obtiveram da França e da Alemanha o compromisso de anular uma parcela substancial da dívida iraquiana. Em declarações mais recentes, o ministro das finanças francês, Nicolas Sarkozy, aprovou a redução, mas sublinhou o fato de o Iraque deter a segunda maior reserva mundial de petróleo. "É difícil justificar uma anulação (da dívida) de 100%, quando nos dispomos a anular apenas 50% a países mais pobres e freqüentemente desprovidos de matérias-primas", reforçou. A fonte oficial francesa também disse à AFP que o cálculo do saldo devedor do Iraque ainda não foi concluído, estando atualmente em curso um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI). Numa fase posterior, a questão será debatida no Clube de Paris (instituição informal que reúne os principais países credores com o objetivo de renegociar as dívidas externas dos países em dificuldades), explicou a fonte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.