França estuda eliminar feriado para levantar verba para idosos

O governo francês estuda eliminar um feriado nacional e fazer os franceses trabalharem um dia a mais para financiar os gastos com atendimento a idosos - as maiores vítimas da onda de calor que, segundo estimativas, matou milhares de pessoas no início de agosto. A idéia, revolucionária em um país onde o tempo livre é considerado sagrado, provocou de imediato opiniões contrárias. Enquanto o líder da federação de comércio a considerou ?fantástica?, um advogado do Partido Comunista expressou estar ?indignado? com a sugestão . O ministro a quem cabe cuidar dos idosos, Hubert Falco, disse que ainda não havia sido tomada uma decisão sobre qual dos 11 feriados nacionais será abolido, mas confirmou que a idéia está sendo considerada. Segundo os idealizadores do plano, um dia a mais de trabalho por ano geraria recursos para financiar melhores cuidados à população de terceira idade. ?É uma possibilidade, entre muitas outras, tentar despertar uma solidariedade genuína neste país?, afirmou Falco nesta quarta-feira após uma reunião do gabinete. ?Poderia ser... trabalhar num feriado em favor da solidariedade nacional?. Após ser duramente criticado por ter reagido tardiamente à mortífera onda de calor, o governo de centro-direita está empenhado em encontrar fórmulas de arrecadar mais verba para superar as falhas no sistema de saúde. Mas a idéia enfrenta sérias dificuldades na França, um país no qual as leis trabalhistas implantadas durante o anterior governo socialista restringiram a semana de trabalho a 35 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.