França estuda participar de ataques aéreos na Síria

A França estuda estender sua campanha de ataques aéreos para a Síria e está intensificando a segurança em locais púbicos depois de militantes ligados ao Estado Islâmico terem decapitado um refém francês, disseram autoridades nesta quinta-feira.

Estadão Conteúdo

25 de setembro de 2014 | 10h32

O escritório do presidente François Hollande anunciou que a França vai "intensificar" seu apoio às forças de oposição sírias na luta contra extremistas do Estado Islâmico. Um auxiliar da presidência não especificou o tipo de apoio ou se ele envolveria ação militar.

Hollande realizou uma reunião emergencial da Defesa nesta quinta-feira, um dia depois de o assassinato do montanhista Herve Gourdel, de 55 anos, ter sido anunciado.

O escritório do presidente disse que a França vai elevar as medidas de segurança em locais públicos e nos transportes.

Medidas de segurança já haviam sido acentuadas depois de a França ter dado início aos ataques aéreos no Iraque na última sexta-feira, tornando-se o primeiro país a se juntar à campanha dos Estados Unidos contra os combatentes do Estado Islâmico.

Inicialmente, a França havia afirmado que limitaria seus ataques ao Iraque, mas essa posição parece estar mudando desde que os Estados Unidos estenderam suas ações à Síria.

Antes da reunião desta quinta-feira, o ministro da Defesa Jean-Yves Le Drian disse à rádio RTL que autoridades estudam se as atuais missões francesas no Iraque são suficientes contra o grupo extremista, que se instalou e domina campos de petróleo na Síria.

"Já temos uma importante tarefa no Iraque e veremos agora como a situação se desenvolve nos próximos dias", declarou Le Drian. O ministro de Relações Exteriores francês, Laurent Fabius, disse no início da semana que não há "obstáculo legal" contra ataques aéreos na Síria. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.