Alberto Lowe/Reuters
Alberto Lowe/Reuters

França extraditará Noriega ao Panamá no domingo

Ex-ditador é acusao de violações contra os direitos humanos em seu país natal

Agência Estado

07 de dezembro de 2011 | 16h53

PARIS - Um advogado do ex-ditador panamenho Manuel Noriega disse nesta quarta-feira, 7, que seu cliente será extraditado da França para sua terra natal no próximo domingo, dia 11, após passar mais de 20 anos em prisões nos Estados Unidos e na França.

 

O advogado Yves Leberquier afirmou que a extradição do ex-militar panamenho é "uma notícia boa" e que seu cliente "hoje é um homem velho e cansado", quebrado por anos de prisão. Mesmo, assim, Noriega deverá ser julgado no Panamá por violações contra os direitos humanos.

 

As autoridades francesas aprovaram dois pedidos de extradição feitos pelo Panamá, cujo governo planeja julgar Noriega em dois casos nos quais ele foi condenado à revelia.

 

Noriega trabalhou para a Agência Central de Inteligência (CIA) do governo dos EUA na década de 1960, após ser treinado na Academia Militar de Chorrillos, no Peru. Ele também recebeu treinamento nos EUA.

 

Noriega governou o Panamá como um déspota entre 1983 e 1989, quando entrou em rota de colisão com os EUA, após fraudar as eleições vencidas por Guillermo Endara. No final de 1989, Washington realizou a invasão militar do Panamá, capturando o ditador e o levando para os EUA, onde ele foi julgado por tráfico de drogas em Miami e sentenciado a 20 anos de prisão. Noriega foi libertado nos EUA em 2009 mas foi extraditado à França em 2010, onde enfrentou acusações de ter lavado US$ 3 milhões de dinheiro vindo do narcotráfico. Ele foi condenado e recebeu uma sentença de sete anos de prisão. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.