França garantirá estabilidade do Líbano, afirma Hollande

O presidente da França, François Hollande, fez neste domingo uma rápida visita a Beirute, onde garantiu ao presidente libanês Michel Suleiman que seu país apoiará a unidade e a estabilidade libanesas, ameaçadas pela guerra civil na Síria. "Nós estamos comprometidos a dar a vocês as garantias a respeito da segurança, estabilidade e unidade do Líbano", disse Hollande a Suleiman. Hollande afirmou que a França não irá tolerar "tentativas de desestabilizar o Líbano".

AE, Agência Estado

04 de novembro de 2012 | 19h37

"A França não economizará nenhum esforço para garantir a independência" libanesa, disse o presidente francês

A visita de Hollande ocorre em mais um momento de crise no governo libanês. A oposição pediu a renúncia do primeiro-ministro Najib Mikati, o qual concordou em deixar o cargo mas continua a exercê-lo como interino. O Parlamento deverá se reunir para escolher um novo premiê. A oposição pediu a renúncia de Mikati após o assassinato do general Waissan al-Hassan, morto por um carro-bomba em 19 de outubro em Beirute Oriental, em um ataque que deixou pelo menos outras sete pessoas mortas. Hollande disse hoje que Suleiman é capaz de garantir a unidade do Líbano, informou o jornal libanês An-Nahar.

Hollande disse que a morte de Al-Hassan não vai ficar impune e a França vai ajudar o país a encontrar os assassinos. "Isso não pode ficar impune. A França vai fornecer toda a ajuda a fim de encontrar os responsáveis por essa agressão covarde", afirmou Hollande, em entrevista à imprensa em Beirute com Suleiman. O líder francês fez uma breve pausa no país em seu caminho à Arábia Saudita e ao Laos.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.