França: Hollande diz no Var que segurança é obrigação

O presidente francês François Hollande prometeu reprimir as pessoas que provocaram tumultos na cidade de Amiens, no norte da França, que deixaram policiais feridos e danificaram prédios nesta terça-feira. "O Estado tomará as medidas necessárias para combater estes atos violentos", declarou Hollande, após os tumultos num bairro de trabalhadores que deixaram 17 policiais feridos, incendiaram uma escola e destruíram um shopping center. Em visita a uma delegacia de polícia no departamento do Var, na Provença (sul), Hollande disse que a segurança não é uma prioridade, mas uma "obrigação" do Estado.

AE, Agência Estado

14 de agosto de 2012 | 17h06

Em confronto com um marginal em junho, duas policiais foram baleadas e mortas na prefeitura de Pierrefeu-du-Var, informou o jornal Libération. Hollande prestou hoje uma homenagem às duas policiais, Alicia Champlon, de 29 anos, e Audrey Berthaut, de 35 anos.

Na área onde os tumultos aconteceram na madrugada de hoje, no norte da França, já foram registrados distúrbios anteriores e a região foi identificada pelo governo como uma das 15 zonas onde a segurança precisa melhorar e também como uma das regiões que precisam de mais recursos e verbas para combater o desemprego. Embora a taxa nacional de desemprego na França esteja pouco acima de 10% da força de trabalho, em algumas regiões do norte francês supera 20%. Amiens fica 120 quilômetros ao norte de Paris.

"Os confrontos foram muito, muito violentos", disse o prefeito de Amiens, Gilles Dumailly. Segundo ele, a tensão entre a polícia e os moradores empobrecidos cresce há meses. Ele descreveu os moradores empobrecidos como "pessoas que passam por algumas dificuldades".

"Essa não é uma violência gratuita. Essa é uma violência que vem da raiva. Nós não somos animais. Nós votamos e pagamos impostos como todo mundo", disse Sabrina Hadji, moradora de um bairro em Amiens.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.