AFP PHOTO / VILLE DE NICE
AFP PHOTO / VILLE DE NICE

França homenageia vítimas de atentado em Nice em meio a tensão política

Milhares de pessoas se reuniram na Promenade des Anglais para depositarem flores e respeitarem um minuto de silêncio; primeiro-ministro Manuel Valls ouviu vaias e pedidos de renúncia

O Estado de S. Paulo

18 de julho de 2016 | 13h28

NICE - A França observou nesta segunda-feira, 18, um minuto de silêncio em homenagem às 84 vítimas do atentado em Nice, onde milhares de pessoas se reuniram e algumas vaiaram o primeiro-ministro, Manuel Valls - com direito a alguns pedidos de renúncia -, um sinal do clima político tenso no país. 

A reação à presença de Valls é mais uma demonstração do clima de tensão que impera na França, alvo de um terceiro ataque em grande escala em 18 meses, ações que deixaram quase 250 mortos. O clima de unidade nacional que prevaleceu após os dois primeiros ataques não resistiu ao atentado cometido em Nice.

A oposição de direita e de extrema direita acusa o governo do presidente socialista François Hollande de não ter feito o necessário para evitar novos ataques. "Tudo o que deveria ter sido feito em 18 meses não foi feito", afirmou no domingo o líder do partido Os Republicanos (LR) e ex-presidente Nicolas Sarkozy (2007-2012).

Em resposta, o presidente pediu o respeito à "dignidade e verdade na palavra pública" e o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, rejeitou as acusações de fragilidade na luta antiterrorista. De acordo com as autoridades, 100 mil policiais, oficiais e militares estão mobilizados para garantir a segurança na França.

"Vamos seguir com a luta sem quartel contra o Daesh - acrônimo em árabe para o Estado Islâmico (EI) - dentro e fora do país", reiterou o ministro da Defesa, Jean-Yves Le Drian, após uma reunião no Palácio do Eliseu.

A França, que integra a coalizão internacional que luta contra o EI, prosseguirá com os ataques aéreos no Iraque e na Síria, disse o ministro. Valls e Cazeneuve afirmaram ainda, em um comunicado conjunto, que a ação do governo "dá resultados" e indicaram que "16 atentados foram evitados na França desde 2013".

Ação planejada. Quatro dias depois da matança, ainda não foi possível estabelecer os vínculos entre o tunisiano Mohamed Lahouaiej Bouhlel, autor do ataque de 14 de julho, e as redes terroristas, incluindo o EI, disse o ministro do Interior. "Mas o modus operandi utiliza totalmente as instruções do Daesh", afirmou Cazeneuve.

"Não podemos descartar que um indivíduo desequilibrado e muito violento - duas características que segundo testemunhas definiam a personalidade do agressor - tenha se visto imerso, após uma radicalização rápida, neste crime terrível", completou.

Seis pessoas permanecem detidas, incluindo um albanês de 38 anos suspeito de ter fornecido ao agressor a pistola com a qual ele atirou contra um policial antes de ser morto. Três pessoas interrogadas foram transferidas para unidades dos serviços de inteligência perto de Paris. 

Ao menos uma das pessoas interrogadas citou à polícia uma guinada recente do tunisiano para o "islã radical". Antes, o agressor demonstrava pouco interesse na religião. A polícia continua investigando a possibilidade de Bouhlel, que planejou de modo minucioso o ataque, ter cúmplices. 

Pouco antes de avançar a toda velocidade contra os pedestres, o tunisiano enviou um SMS a um amigo. Na mensagem, comemorava o fato de ter conseguido uma pistola de calibre 7.65 e pedia mais armas, segundo fontes próximas à investigação. 

Mais de 200 pessoas estão trabalhando para identificar todos os destinatários das mensagens enviadas por Bouhlel. Também se sabe que o homem de 31 anos, que trabalhava como transportador, fez uma foto no caminhão com o qual cometeu o ataque e depois a enviou por mensagem. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.