Édouard Boucart
Édouard Boucart

França impõe multa de 90 euros a assédio nas ruas

Medida é parte das conclusões de um relatório elaborado por um grupo parlamentar, encarregado pelo presidente Emmanuel Macron de refletir sobre como penalizar cantadas e comentários obscenos

O Estado de S.Paulo

06 Março 2018 | 12h54

PARIS - Gestos inconvenientes, assobios e comentários obscenos no espaço público custarão caro a partir de agora na França - disse o porta-voz do governo francês, Benjamin Griveaux, nesta terça-feira (6), anunciando a implantação de uma multa de 90 euros por assédio sexual nas ruas e transportes públicos.

+ Deputados propõem multa de 90 euros para cantada machista na França

"Eu lhes lembro que, na Île-de-France - a região parisiense -, 90% das mulheres que utilizam o transporte público consideram que foram vítimas de violência física, ou verbal, ou de algum tipo de assédio", afirmou Griveaux, em entrevista à rede BFMTV.

"Temos de pôr um fim a isso", acrescentou o porta-voz.

Essa medida é parte das conclusões de um relatório elaborado por um grupo parlamentar, encarregado pelo presidente Emmanuel Macron de refletir sobre como penalizar o assédio nas ruas - uma realidade que as mulheres enfrentam diariamente.

+ França planeja multa para cantadas 

O informe preconiza a imposição de uma multa de entre 90 a 750 euros - que dependerá da rapidez com a qual o agressor pague a infração - que punirá "qualquer proposta, comportamento, ou pressão de índole sexista, ou sexual" no espaço público.

Será a "polícia de proximidade", um corpo de agentes de campo que Macron quer mobilizar e que ficará responsável por impor multas aos infratores pegos em flagrante.

Griveaux admitiu, porém, que o governo está "consciente" da dificuldade de se constatar em flagrante um crime dessa natureza.

"Mas é melhor do que nada", frisou.

Na França, o limite entre sedução e assédio

Outros países europeus, como Bélgica e Portugal, tentaram sem sucesso aplicar multas similares contra o assédio nas ruas. O porta-voz do governo francês estima que "podemos aprender com essas tentativas frustradas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.