Gonzalo Fuentes/Reuters
Gonzalo Fuentes/Reuters

França interroga possível candidato socialista por caso Strauss-Kahn

François Hollande supostamente sabia do ataque do ex-diretor do FMI contra jornalista francesa

Reuters

20 de julho de 2011 | 17h17

PARIS - A polícia da França interrogou nesta quarta-feira, 20, François Hollande, possível candidato do Partido Socialista à presidência do país, como parte das investigações do caso de abuso sexual envolvendo o ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn.

 

Temendo que o interrogatório pudesse minar sua campanha para as eleições, que ocorrem no ano que vem, Hollande teria pedido para prestar depoimento o quanto antes. O socialista faz parte das investigações porque Tristane Banon, a jornalista que diz ter sido atacada por Strauss-Kahn em 2003, afirmou que contou o caso a Hollande pouco depois do ocorrido.

 

"Estou tranquilo, muito relaxado. Mas o que não suporto é ser manipulado politicamente e direi a todos os investigadores o que sei", disse o socialista ao jornal Le Figaro.

 

Atualmente, Hollande lidera as pesquisas de opinião contra seu principal rival dentro do partido, Martina Aubry. Se fosse convocado em setembro, como noticiou o Le Figaro, o interrogatório chegaria em um momento crucial da decisão de quem representaria os socialistas na corrida presidencial.

 

O caso contra Strauss-Kahn, que há alguns meses era o principal nome para representar o Partido Socialista nas eleições de 2012, poderia prejudicar a imagem da legenda no pleito. O ex-diretor do FMI respondeu às acusações de Tristane com um requerimento de difamação por parte da jornalista. Ele, porém, também enfrenta processos semelhantes nos EUA, onde é acusado de ter cometido delitos sexuais contra uma camareira em um hotel de Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.