França investiga rede de 'mulas' para transportar drogas do Brasil

Quatro jovens francesas foram presas nos últimos três meses em São Paulo quando tentavam sair do país com droga

Efe,

21 de novembro de 2010 | 09h55

PARIS - A Polícia francesa suspeita que uma rede de narcotráfico atue na França recrutando jovens em dificuldades financeiras para que introduzam no país drogas provenientes do Brasil.

 

Uma fonte policial citada neste domingo pelo diário "Le Parisien" indica que possa haver "uma rede de recrutamento na França", após a detenção de quatro jovens francesas nos últimos três meses em São Paulo quando tentavam sair do Brasil com droga.

 

A última detida, Jessica Briffault, de 28 anos, natural da região de Paris, foi presa em São Paulo na última terça-feira quando agentes do aeroporto internacional de Guarulhos confiscaram uma mala em seu nome com nove quilos de cocaína.

 

Jessica pretendia pegar um voo com destino a Lisboa, de onde faria conexão a Paris.

 

Descrita pela irmã Joanna como "ingênua", Jessica havia explicado à família que tinha ganhado uma viagem ao Brasil em uma discoteca.

 

A mala com cocaína não era a mesma com a qual Jessica tinha saído da França, o que, para os familiares, prova que a jovem os enganou.

 

Para as fontes policiais citadas pelo "Le Parisien", a rede de narcotraficantes que pode haver por trás do caso se aproveita particularmente de mulheres com um perfil específico: "jovens, sozinhas e geralmente com empregos precários que viajam para São Paulo, que não é o centro turístico do Brasil".

 

Segundo essa versão, as mulheres são abordadas na França, onde ganham de presente uma viagem. Elas recebem promessas de remuneração ou de emprego caso façam um favor que nem sempre entendem imediatamente.

 

Uma vez no Brasil, se hospedam durante uma semana em um hotel sem luxo algum no centro de São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
ParisFrançatráficodrogasmulasBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.