França nega envolvimento de tropas em combates no Chade

Governo desmente denúncias de jornal e afirma que militares apenas auxiliaram na retirada de estrangeiros

Efe,

08 de fevereiro de 2008 | 10h11

As autoridades francesas negaram nesta sexta-feira, 8, que suas tropas tenham participado ao lado do Exército do presidente chadiano, Idriss Déby, nos combates contra os rebeldes que, na semana passada, lançaram uma ofensiva para tentar derrubar o regime em vigor no Chade.   Veja também:  Entenda o conflito entre governo e rebeldes    O jornal La Croix diz na edição desta sexta que oficiais franceses coordenaram o ataque lançado no dia 1 de fevereiro pelo Exército chadiano contra um grupo de rebeldes em Massaguet, a 50 quilômetros da capital, que acabou fracassando. O chefe do Estado-Maior chadiano morreu no ataque, combatentes da etnia de Déby desertaram e o presidente foi obrigado a retornar para Ndjamena, informa o jornal. O La Croix também afirma que, no dia seguinte, elementos das forças especiais francesas se envolveram nos combates em Ndjamena.   Um porta-voz do ministro da Defesa e a secretária de Estado de Direitos Humanos, Rama Yade, negaram que membros das forças militares francesas tenham participado nos combates. Eles indicaram que os soldados da França realizaram operações de proteção e retirada de cidadãos franceses e de outras nacionalidades.   Entrevistada pela emissora RTL, Yade lembrou que, desde "o começo dos acontecimentos" até agora, 934 pessoas foram retiradas, das quais 515 são francesas.

Mais conteúdo sobre:
Chade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.