França nega pagamento de resgate a seqüestradores iraquianos

O governo da França negou nesta segunda-feira que tenha pago resgate pela libertação de cidadãos franceses recentemente seqüestrados no Iraque. A declaração de Paris é uma resposta a reportagem publicada pelo jornal britânico The Times, segundo a qual Alemanha, França e Itália teriam pago US$ 45 milhões de dólares para que grupos armados iraquianos libertassem cidadãos seqüestrados.Em sua página na internet, o diário britânico informou que documentos mantidos pelas forças iraquianas de segurança mostravam que três países europeus desembolsaram um total de US$ 45 milhões pela libertação de nove reféns.De acordo com a reportagem, Paris teria pago US$ 15 milhões pela libertação dos jornalistas Christian Chesnot e Georges Malbrunot em dezembro de 2004 e mais US$ 10 milhões em junho de 2005 para que os seqüestradores soltassem a também jornalista Florence Aubenas."Como disseram autoridades francesas na época da libertação dos reféns, não houve pagamento de resgate", declarou à Associated Press o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da França, Jean-Baptiste Mattei.Em Berlim, o governo alemão não entrou inicialmente em detalhes sobre como foi conseguida a libertação de três cidadãos do país seqüestrados no Iraque ao longo dos últimos anos.Em meio a especulações de que teria sido pago resgate, o diretor da unidade de crises da chancelaria alemã, Reinhard Silberberg, assegurou que "o governo não se deixou ser chantageado".Por sua vez, a Itália não comentou a denúncia do The Times. Mas o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi negou em diversas ocasiões que a Itália tenha pago resgate pela libertação de cidadãos seqüestrados no Iraque.Os críticos queixam-se que o pagamento dos resgates encorajaria gangues criminosas a seqüestrar estrangeiros no Iraque.Dos mais de 250 estrangeiros seqüestrados no Iraque desde a invasão do país árabe, em março de 2003, 44 foram mortos, 135 foram libertados, três escaparam e seis foram resgatados. O destino dos demais é desconhecido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.