França nega pagamento de resgate por jornalistas

Dois jornalistas franceses, libertados após quatro meses de cativeiro no Iraque, voltaram para casa hoje. O governo francês diz ter negociado a soltura de ambos sem que fosse preciso pagar resgate. Christian Chesnot e Georges Malbrunot chegaram ao aeroporto militar Villacoublay, próximo a Paris, e foram saudados pelas famílias e pelo presidente Jacques Chirac.Chesnot, de 38 anos, e Malbrunot, de 41, haviam desaparecido em 20 de agosto, juntamente com um motorista sírio, a caminho da cidade iraquiana de Najaf. O motorista, Mohammed al-Joundi, já havia sido libertado em novembro. Os reportes eram reféns de um grupo chamado Exército Islâmico do Iraque, que já havia matado outros estrangeiros capturados.A libertação foi negociada por intermediários e nenhum resgate foi pago, disse o primeiro-ministro Jean-Pierre Raffarin, segundo o líder político de centro François Bayrou. "Nenhuma concessão" foi feita, disse Raffarin a parlamentares, denunciando o terrorismo como "adversário da democracia".Mais de 170 estrangeiros foram seqüestrados no Iraque. Desses, mais de 30 foram mortos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.