França pede firmeza com Irã, mas nega solução militar

O ministro de Assuntos Exteriores da França, Philippe Douste-Blazy, frisou neste domingo, 11, em Abu Dhabi a necessidade de o Irã ser tratado "com firmeza" em relação a seu programa nuclear, embora tenha descartado uma solução militar para a crise."Acho que é possível alcançar uma solução diplomática por meio da firmeza e do diálogo", disse Douste-Blazy em uma entrevista coletiva com seu homólogo dos Emirados Árabes Unidos, o xeque Abdullah bin Zayed al-Nahyan.O ministro francês também ressaltou a importância de o Conselho de Segurança da ONU chegar a um "consenso" sobre a imposição de sanções ao Irã, referindo-se, assim, às reservas de Rússia e China quanto à aplicação de medidas para obrigar Teerã a suspender suas atividades atômicas."É preciso impor sanções" ao Irã, reiterou Douste-Blazy, após lembrar que os iranianos não cumpriram o prazo de 60 dias dado pelo Conselho de Segurança para que o país suspendesse o enriquecimento de urânio."Nosso objetivo é chegar, através das pressões, a uma solução baseada nas negociações", acrescentou o chefe da diplomacia francesa, que acrescentou que "uma ação militar (contra o Irã) vai desestabilizar a região" do Golfo Pérsico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.