França pede que China reabra 'sem demora' o Tibete à imprensa

Ministro das Relações Exteriores francês disse que debaterá o assunto com outros países da Europa

Efe,

21 de março de 2008 | 14h53

A França pediu nesta sexta-feira, 21, à China que reabra "sem demora o Tibete à presença estrangeira" e, em particular, "aos jornalistas", para obter todos os elementos de informação sobre os recentes acontecimentos.  Veja também:Presidente da Câmara dos EUA pede condenação da ChinaChina reconhece que policiais atiraram em quatro tibetanosChina admite que protestos se espalharam para fora do TibeteChina diz que enfrenta 'luta de vida ou morte' Entenda os protestos no Tibete "Pedimos à China que reabra sem demora o Tibete à presença estrangeira e, em particular, que permita aos jornalistas trabalhar ali de novo", disse o porta-voz adjunto do Ministério de Relações Exteriores francês, Frédéric Desagneaux, em entrevista coletiva. No entanto, o porta-voz não se pronunciou sobre se a França é a favor de uma investigação internacional e independente sobre os atos de violência no Tibete. "Nossa preocupação é saber o que ocorre no Tibete e dispor de todos os elementos de informação sobre os recentes eventos", disse Desagneaux, ressaltando que "esse é o espírito da declaração do dalai-lama". Ele disse ainda que a França debaterá sobre este assunto com seus parceiros europeus. Fontes do Palácio do Eliseu citadas nesta sexta-feira pelo jornal Le Monde, afirmaram que o presidente francês, Nicolas Sarkozy, decidirá com base em um conjunto de parâmetros se realiza uma reunião com o dalai-lama.

Tudo o que sabemos sobre:
TibeteFrançaChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.