França pede reunião da coalizão para discutir intervenção na Líbia

Encontro deve reunir EUA, França, Reino Unido, Itália, Canadá, Qatar, Noruega, Bélgica, Dinamarca e Espanha

22 de março de 2011 | 13h28

O ministro das Relações Exteriores da França, Alain Juppé, anunciou nesta terça-feira, 22, uma reunião sobre a intervenção na Líbia para os próximos dias. O encontro deve acontecer em Londres ou Bruxelas e reunir os chanceleres de EUA, França, Reino Unido, Itália, Canadá, Qatar, Noruega, Bélgica, Dinamarca e Espanha.  

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna
especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

Mais cedo, o Ministério de Relações Exteriores da França informou que a Otan fornecerá ajuda à intervenção na Líbia quando os Estados Unidos diminuírem sua participação. "Quando os norte-americanos decidirem recuar um pouco, a Otan poderá entrar para oferecer apoio, isso está relativamente claro", disse a porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Christine Faes.

Uma reunião acalorada entre embaixadores da Otan na segunda-feira não conseguiu chegar a um acordo sobre se aliança de 28 nações deveria comandar a operação para garantir uma zona de exclusão aérea.

O ministro de Relações Exteriores da França, Alain Juppe, sugeriu na segunda-feira que a Otan deveria assumir a liderança na área de planejamento e coordenação, mas a liderança política da missão deveria vir de seus parceiros na coalizão.

 

Faes  disse, no entanto, que a questão sobre quem deveria comandar a aliança não era urgente no momento, pois a liderança de Washington estava funcionando.

 

"Não temos problema algum em buscar a ajuda (da Otan). O que importa no momento é implementar a resolução da ONU e por enquanto, a liderança dos Estados Unidos está funcionando", afirmou.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Líbiaintervenção na LíbiaFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.