França pode enviar entre 1.500 e 2.000 soldados ao Líbano

O presidente francês, Jacques Chirac, sereunirá nesta quinta-feira com vários membros do Governo para discutir a situação do Líbano e poderia anunciar o envio de entre 1.500 e 2.000 soldadospara reforçar a Força Interina da ONU no sul do país (Finul),segundo a imprensa local. Chirac fará um discurso na televisão às 20h (15h em Brasília) noqual se espera que concretize a contribuição francesa ao reforço daFinul, segundo fontes da Presidência, que não confirmaram se osnúmeros divulgados pela imprensa estão corretos. O presidente apresentará "as decisões que adotou sobre a ação daFrança em favor da paz no Líbano e no Oriente Médio". A França possui atualmente 400 militares na Finul e até agoratinha pedido uma maior esclarecimento da missão da força antes de secomprometer com o envio de mais tropas. Chirac se reunirá hoje com o primeiro-ministro, Dominique deVillepin, e os ministros de Exteriores, Philippe Douste-Blazy;Defesa, Michele Alliot-Marie; Interior, Nicolas Sarkozy, e AssuntosEuropeus, Catherine Colonna. A reunião foi confirmada pelo porta-voz do Governo, Jean-FrançoisCopé, ao término do Conselho de Ministros presidido pelo chefe deEstado. O encontro será realizado antes da reunião convocada pelaPresidência finlandesa da União Européia dos ministros de Exterioresdo bloco para coordenar a contribuição européia ao reforço da Finul. Villepin, que na quarta-feira recebeu a ministra de Exterioresisraelense, Tzipi Livni, assegurou que a França reforçar seucompromisso com a resolução da crise libanesa, mas disse queprimeiro é preciso que "haja condições" para isso. O primeiro-ministro do Líbano, Fouad Siniora, pediu hoje umamaior contribuição da França ao reforço da Finul e assegurou que oslibaneses "esperavam muito mais" que os 400 soldados franceses quefazem parte do contingente. "Os libaneses queriam uma presença forte da França (na Finul), oque teria estimulado outros países contribuintes a fazer o mesmo",disse o primeiro-ministro à rádio "RMC Info".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.