EFE/EPA/Handout
EFE/EPA/Handout

França prende 'tesoureiro' do genocídio de Ruanda 

Félicien Kabuga, de 84 anos, é acusado de ter criado as milícias Interahamwe, o principal braço armado do genocídio de 1994 que causou 800 mil mortes, segundo a ONU

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2020 | 11h48

PARIS - Considerado o "tesoureiro do genocídio de Ruanda" e um dos principais réus ainda procurados pela Justiça internacional, Félicien Kabuga foi preso perto de Paris, neste sábado, 16, segundo anunciaram em nota conjunta a Promotoria e a Gendarmeria. Aos 84 anos, ele vivia nos arredores da capital francesa com uma identidade falsa.

Kabuga é acusado de ter criado as milícias Interahamwe, o principal braço armado do genocídio de 1994 que causou 800 mil mortes, segundo a ONU. 

Kabuga é alvo de um mandado de prisão por parte do Mecanismo para Tribunais Penais Internacionais (MTPI), a estrutura encarregada de concluir os trabalhos do Tribunal Penal Internacional para Ruanda (TPIR).

Segundo o comunicado das autoridades francesas, ele estava entre os "fugitivos mais procurados do mundo".

Sua detenção mostra que "os responsáveis pelo genocídio podem ser responsabilizados, mesmo 26 anos após seus crimes", disse o promotor do MTPI, Serge Brammertz, em um comunicado.

Em 1994, Félicien Kabuga fazia parte do grupo próximo ao presidente ruandês, Juvénal Habyarimana, cujo assassinato em 6 de abril de 1994 provocaria o genocídio. Uma das filhas de Kabuga era casada com um filho de Habyarimana.

Kabuga presidiu a Rádio Televisão Free Thousand Hills (RTLM), que transmitia chamadas para assassinar os tutsis, e o Fundo de Defesa Nacional (FDN), que coletava "fundos" para financiar a logística e as armas dos milicianos hutus Interahamwe, de acordo com a ata de acusação do TPIR.

Depois de ser entregue às autoridades judiciais, Kabuga passará por um processo de extradição diante de uma câmara do Tribunal de Apelações de Paris. Esse órgão decidirá sua entrega ao MTPI em Haia para julgamento./AFP 

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.