França pune general por declarações sobre tortura

O governo francês determinou nesta quarta-feira a aposentadoria compulsória de um condecorado general francês depois de ele ter admitido participação em torturas durante a guerra de independência na Argélia, há mais de 40 anos.O presidente da França, Jacques Chirac, assinou o decreto - em grande parte simbólico - que tira o direito do general Paul Aussaresses de vestir farda. A pensão do general também permanecerá quase inalterada.Em um livro recém-publicado e em entrevistas à imprensa, Aussaresses, de 83 anos, disse ter torturado ou ordenado seus homens a torturar ou executar sumariamente prisioneiros durante a Batalha de Argel, travada em 1957 e que representou um dos momentos mais importantes da guerra que culminou na independência da Argélia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.