França quer julgar ex-chefe da espionagem de Kadafi

O governo da França quer que o ex-chefe da inteligência (espionagem) da Líbia, Abdullah al-Senoussi, seja julgado em um tribunal francês por causa de um atentado contra um avião civil da empresa de passageiros Unión de Transports Aériens (UTA) há mais de duas décadas. Al-Senoussi, que comandou a espionagem de Muamar Kadafi durante vários anos, foi julgado à revelia na França e condenado em 1999 pela explosão de um jato da UTA no Níger, em 1989, ataque que matou todas as 170 pessoas a bordo do avião - incluídos 54 cidadãos franceses.

AE, Agência Estado

21 de novembro de 2011 | 14h36

Combatentes do governo interino líbio capturaram Senoussi no domingo no sul da Líbia. O porta-voz da chancelaria francesa, Bernard Valero, disse na segunda-feira que a França está em negociações com "as autoridades competentes" para garantir que Senoussi seja levado aos tribunais para responder pelo atentado de 1989. Senoussi, ex-cunhado de Kadafi, também é procurado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI).

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.