França quer que Hezbollah seja declarado 'terrorista'

A França se uniu a outros países, como Alemanha e Reino Unido, na tentativa de classificar o grupo guerrilheiro pró-iraniano Hezbollah como uma organização "terrorista".

Agência Estado

23 de maio de 2013 | 17h37

Na noite de quarta-feira o ministro de Relações Exteriores, Laurent Fabius, confirmou que Paris decidiu pedir que a organização militar do Hezbollah seja considerada como uma célula "terrorista".

Um diplomata em Paris, que conversou com a condição de não ter seu nome publicado, disse que os franceses mudaram de postura por causa da intensificação das atividades do grupo na Síria.

Segundo uma fonte do grupo xiita, 75 membros do Hezbollah já morreram na Síria desde o início dos conflitos, meses atrás.

Os combatentes do grupo lutam ao lado das forças do presidente Bashar Assad contra uma insurgência que ganhou força após uma violenta resposta do governo contra protestos por democracia. Desse total, 57 morreram em combate e os outros 18 faleceram por conta dos ferimentos causados nos conflitos.

Sediado no Líbano, o Hezbollah possui 20 mil combatentes, diz Waddah Sharara, um especialista no assunto, mas apenas de 5 mil a 7 mil deles possuem experiência em combate. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaHezbollah

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.