França, Rússia e Alemanha querem fortalecer inspeções

O trio formado pela França, Alemanha e Rússia, lançou hoje documento contra a guerra, manifestando seu desejo pelo prosseguimento e reforço das inspeções da ONU no Iraque, convencido de que elas oferecem possibilidades ainda não devidamente exploradas. Esses três países não fecharam, entretanto, as portas a uma "alternativa de guerra" contra o Iraque, exigindo uma cooperação mais transparente do país com a ONU."Rússia, França e Alemanha estão determinadas a dar todas as chances para a paz", afirmou o presidente francês, Jacques Chirac, ao abrir a entrevista coletiva ao lado do presidente russo, Vladimir Putin. Os dois presidentes não se mostraram convencidos da existência de provas concretas contra o Iraque.O chanceler alemão, Gerhard Schroeder, não participou do encontro de duas horas no Palácio do Eliseu, mas firmou o comunicado conjunto. Os três países, segundo Chirac, reafirmam que o desarmamento do Iraque é o objetivo da comunidade internacional, mas toda solução deve inspirar-se na resolução do Conselho de Segurança da ONU. O uso da força continua na pauta, mas só como último recurso.Putin, por sua vez, lembrou as graves conseqüências da utilização da força e deixou claro que tudo vai depender de uma decisão do CS, após o envio do relatório dos inspetores. Putin repetiu, ao chegar a Paris, que apóia o plano franco-alemão que busca evitar a guerra. Segundo ele, não se trata de um "plano secreto", mas sim de propostas concretas que possam contribuir para preservar a paz na região e impedir que os EUA iniciem uma "guerra preventiva" na região, antes que os inspetores da ONU encerrem seus trabalhos.No domingo, a França desmentiu a existência de um plano secreto franco-alemão, dizendo que havia apenas idéias formuladas pelo chanceler francês, Dominique de Villepin. Hoje, o porta-voz do governo alemão, Bela Anda, disse que a Alemanha e a França não têm uma iniciativa de paz conjunta para desarmar o Iraque, mas estavam apenas dialogando para pôr suas idéias à disposição dos demais países do CS da ONU.Entre as idéias estaria o envio de capacetes azuis da ONU, de nacionalidade européia, para garantir e proteger a missão dos inspetores. As propostas foram definidas pelos americanos como manobras destinadas a retardar o início da guerra.Putin foi recebido em Paris com vaias de manifestantes que protestam contra sua política na Chechênia. Mas também com muita pompa por Chirac. O apoio russo e chinês às posições franco-alemãs poderá fazer com que a Casa Branca reflita antes de iniciar uma ofensiva contra o Iraque, com a oposição desses quatro países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.