Thomas Samson/Pool via EFE/EPA
Thomas Samson/Pool via EFE/EPA

França supera 80 mil mortos pelo coronavírus

País é o sétimo com maior número de óbitos do mundo e o sexto em novos casos de contágio

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2021 | 21h11

PARIS - A França superou nesta terça-feira, 9, a marca de 80 mil mortes provocadas pela covid-19, após registrar mais de 700 óbitos em hospitais e casas de repouso, segundo números do governo francês. O país é o sétimo na lista com mais óbitos no mundo. Entre segunda-feira e esta terça, morreram 439 pessoas que estavam hospitalizadas, de acordo com a agência de saúde pública. O número total acumulado de novos casos aumentou para 3,36 milhões, o sexto mais alto do mundo.

A média de pessoas mortas não deve ter redução no curto prazo, já que as internações continuam em nível elevado, com mais de 11 mil novas hospitalizações nesta terça-feira. Com relação aos cuidados intensivos, a média de internações nas UTIs na última semana oscilou entre 1.700 e 1.800. Nesta terça-feira, havia 28 mil doentes com covid-19 internados na França.

“Nos últimos 15 dias, triplicou o número de pacientes com covid-19 nas UTIs e com a chegada da variante (sul-africana) corremos o risco de ficar superlotados”, disse à agência France Presse Yves Cohen, chefe do serviço de reanimação do Hospital Avicenne de Bobigny (leste de Paris).

Cerca de 1,9 milhão de pessoas receberam pelo menos uma dose da vacina que está sendo aplicada na França, e 366.733 as duas doses necessárias. A variante sul-africana do coronavírus preocupa as autoridades francesas, já que há dúvidas sobre a eficácia do imunizante da AstraZeneca contra ela.

A França relatou 18.870 novos casos de covid-19 nesta terça-feira, acima dos 4.317 de segunda-feira, mas abaixo do total de 23.337 da última terça-feira, já que a tendência de contagem de casos permaneceu estável. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.