Eugene Uwimana/EFE/EPA
Eugene Uwimana/EFE/EPA

França tem ‘responsabilidade avassaladora’ em genocídio em Ruanda, diz Macron

Presidente francês afirmou que país 'ignorou avisos' e prometeu levar à Justiça culpados que estejam em sua jurisdição

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2021 | 16h29

KIGALI - O presidente francês Emmanual Macron reconheceu nesta quinta-feira, 27, a responsabilidade de seu país no genocídio que matou 800 mil pessoas em Ruanda. "Com humildade e respeito, venho me posicionar ao seu lado hoje. Venho reconhecer a extensão de nossas responsabilidades”, afirmou em discurso no memorial às vítimas localizado em Kigali, capital do país africano. O evento faz parte de uma viagem de dois dias de Macron ao país.

A posição é resultado do trabalho de uma comissão estabelecida por Macron e liderada pelo historiador francês Vincent Duclert. O relatório do comitê, entregue ao governo francês em março, analisou a relação de proximidade entre o país, à época comandado pelo ex-presidente François Mitterrand, e o governo de Ruanda, liderado pelo ditador hutu Juvenal Habyarimana, concluindo que a França também foi responsável pelo genocídio. Em seu discurso, Macron afirmou que a França ignorou os avisos de um possível massacre.

Apesar de reconhecer responsabilidade, o relatório de cerca de mil páginas absolveu a França de culpa direta pelo assassinato de 800 mil pessoas, a maioria da etnia tutsi. "Os assassinos que perseguiam os pântanos, as colinas, as igrejas não tinham a face da França. A França não era cúmplice", disse Macron, ao prometer que levará à Justiça qualquer autor do genocídio que viver em território francês.

As reações ao discurso foram mistas. A associação de sobreviventes Ibuka lamentou a falta de um pedido de desculpas de Macron. O presidente de Ruanda, Paul Kagame, afirmou que as palavras foram mais poderosas que um pedido de perdão. “Esta visita é sobre o futuro, não o passado. Quero acreditar que esta reaproximação é irreversível”, afirmou em entrevista coletiva. Em Kigali, onde 250 mil vítimas do massacre estão enterradas, as ruas estavam vazias durante a visita do presidente.

Esta é a primeira vez que um chefe do executivo francês visita Ruanda desde 2010. O último foi Nicolas Sarkozy, mas sua presença no país deixou mais dúvidas que certezas sobre o posicionamento da França sobre o tema. Onze anos depois, Macron revisou a postura francesa e deve nomear um novo embaixador à Ruanda - um movimento que leva ao resgate diplomático. Por conta das acusações de Kagame de que a França seria cúmplice do genocídio, o país não indicava um embaixador desde 2015.

Em 6 de abril de 1994, um atentado contra o avião em que o ditador Juvenal Habyarimana viajava com o ex-presidente do Burundi, Cyprien Ntaryamira, matou os dois líderes. Extremistas hutus culparam a Frente Patriótica de Ruanda pelo assasinato e iniciaram um massacre que durou cerca de 100 dias - vitimando principalmente membros da etnia minoritária tutsi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.