Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

França veta manifestação de extrema-direita após morte de estudante

Jovem de 19 anos morreu no hospital depois de ser agredido por skinheads na quarta-feira

O Estado de S. Paulo,

07 de junho de 2013 | 12h56

PARIS - Autoridades francesas proibiram uma manifestação de jovens de extrema-direita marcada para sábado na cidade de Toulouse depois que um estudante de esquerda agredido por skinheads morreu no hospital esta semana. O fato despertou preocupação sobre a violência nas ruas ocasionada por grupos adversários.

O prefeito socialista de Toulouse expressou preocupação com a passeata planejada para comemorar a vitória de um exército cristão em 721 sobre os muçulmanos que sitiavam a cidade, depois que um confronto entre jovens de extrema-direita e extrema-esquerda em Paris provocou a morte do estudante de 19 anos, na quarta-feira. A polícia disse temer um "sério risco de desordem pública" caso a passeata fosse autorizada.

A França foi abalada nos últimos meses por cenas de jovens de extrema-direita atirando tijolos na polícia e destruindo carros, enquanto se aglomeravam em marchas lideradas por conservadores e católicos contra a reforma para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A visibilidade repentina de grupos de extrema-direita abala a já fragmentada a oposição de direita, enquanto a líder da Frente Nacional, Marine Le Pen, procura distanciar-se deles e o partido conservador UMP debate se abraça ou se opõe ao movimento contra o casamento gay.

Centenas de pessoas se reuniram na quinta-feira à noite perto do local do ataque de quarta-feira no centro de Paris, entoando slogans de esquerda e homenageando Clément Méric, o estudante de ciências políticas. Outras vigílias ocorreram na universidade em que Méric estudava, a Sciences Po, no bairro latino de Paris, e em outras cidades francesas.

Jovens de extrema-esquerda em Toulouse planejam realizar um comício no sábado contra o que eles descrevem como "fascistas". Méric sofreu ferimentos na cabeça ao bater num poste de metal depois de ser agredido com socos por jovens de extrema-direita que ele tinha insultado, em um típico confronto entre os dois lados./ REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.