Francês é sequestrado por grupo extremista na Argélia

Um grupo ligado ao braço da Al-Qaeda no norte da África sequestrou um cidadão francês nesta segunda-feira e disse que mataria o refém se a França continuar com os ataques aéreos contra o Estado Islâmico no Iraque.

Estadão Conteúdo

22 de setembro de 2014 | 22h01

Em um vídeo publicado em redes sociais, um membro mascarado da organização que se intitula Jund al-Khilafah (Soldados do Califado) dirigiu a ameaça ao presidente francês, François Hollande, e afirmou que o sequestrado seria morto se as ofensivas não parassem em 24 horas. O grupo disse estar respondendo a um pedido do porta-voz do Estado Islâmico, Abu Muhammad al-Adnani, para que atacassem europeus e norte-americanos.

O Ministério das Relações Exteriores da França confirmou a autenticidade do vídeo e identificou o refém como sendo Herve Gourdel, de 55 anos. Hollande conversou com o primeiro-ministro argelino, Abdelmalek Sellal, por telefone. O gabinete do presidente francês afirmou em depoimento que haveria "cooperação total" entre a Franca e a Argélia para encontrar o refém.

Gourdel aparece no vídeo rodeado por dois homens armados e mascarados. Ele conta que foi sequestrado no domingo e reitera as demandas pelo fim dos ataques aéreos franceses. As forças armadas da França se uniram aos Estados Unidos no dia 19 de setembro para atacar militantes do grupo Estado Islâmico no Iraque. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.